terça-feira, 22 de fevereiro de 2005

MOTORAVIA JÁ VOOU... [ parte II ]



Acção 1.2 - Criação de um Centro de Investigação Tecnológica e de Inovação
"Observatório de Inteligência Económica”
Esta acção tem como objectivo a criação/implantação de um Centro Tecnológico e de Inovação para apoiar os sectores de actividade implementados no concelho de Ponte de Sôr, especialmente os da aeronáutica, da cortiça e da metalo-mecânica.
Objectivos específicos
·Favorecer a troca de experiências;
·Apoiar a análise estratégica de novos mercados;
·Desenvolver a componente de investigação tecnológica;
·Promover a internacionalização das empresas;
·Promover a realização de eventos regionais, nacionais e internacionais.
Entidades Beneficiárias, designadamente:
Câmara Municipal de Ponte de Sôr
DYN'AERO - Tecnologia Aeronáutica
MOTORÁVIA - Engenharia Aeronáutica
APCOR - Associação Portuguesa da Cortiça
Álvaro Coelho & Irmãos - Produtores de Cortiça
Amorim & Irmãos
Custo da Acção:
456.000 euro
Contribuição do FEDER: 364.800 euro
Contribuição do sector público: 45.600 euro
Contribuição do sector privado: 45.600 euro
Organismo Responsável
Comissão de Coordenação da Região do Alentejo
Calendário de Realização
01 de Janeiro de 2003 a 31 de Dezembro de 2004
http://www.ccr-alt.pt/prai/a_2.asp



BRASIL EM FOCO

Portuguesa Motorávia vai investir 11 milhões de euros no Estado de Alagoas
A empresa portuguesa Motorávia, fabricante de avionetas e helicópteros, vai investir 11 milhões de euros (40 milhões de reais), na construção de uma unidade no Estado de Alagoas, escreveu esta semana o jornal Tribuna de Alagoas.O projecto da fabricante portuguesa insere-se na criação de um pólo industrial aeronáutico nesse estado da região Nordeste do Brasil, nos próximos cinco anos.
"Está tudo acertado com os parceiros brasileiros para iniciar as obras neste começo de ano", disse o responsável pela Motorávia, João Folgado, em declarações ao jornal.
Um dos parceiros do empreendimento é o Governo do Estado de Alagoas, que vai construir todas as infra-estruturas necessárias para instalação da empresa portuguesa, nos arredores da capital Maceió.
"Se tudo correr bem, vamos iniciar as actividades industriais em Setembro ou Outubro de 2005", avançou o responsável da Motorávia.
Na primeira fase do projecto, a empresa portuguesa vai fabricar avionetas de até quatro lugares, com a criação de 100 empregos directos.
A segunda etapa do projecto prevê a instalação de até 12 fabricantes de peças e componentes para a Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer), a quarta maior fabricante mundial de aviões, com sede no Estado de São Paulo.
Recentemente, a Embraer venceu o concurso público para aquisição da empresa portuguesa OGMA.
João Folgado avançou que várias empresas europeias e brasileiras estão interessadas em abrir unidades em Alagoas.
"Para a escolha de Alagoas contou, logicamente, o entendimento com o governo local, a localização geográfica de Alagoas no mercado mundial, seja para a África, os Estados Unidos, a América Central e outros pontos, além de um clima agradável e uma gente simpática", disse João Folgado.
O engenheiro Ancelmo Duarte, representante da Motorávia no Brasil, afirmou ao jornal que serão construídos cerca de dezasseis edifícios no pólo aeronáutico de Alagoas.
Seis edifícios serão utilizados pela Motorávia e os dez restantes para as demais empresas, numa área total de 300 mil metros e 28 mil metros de área construída.
walk in the bridge

2 Comments:

At 22 de fevereiro de 2005 às 16:14, Anonymous Ana Bravo said...

É só desenvolvimento à custa do dinheiro dos contribuintes.
Eles sacam cá o graveto e vão investir no Brasil.
Será que já ofereceram uma casita de praia ao bugalheira e aos seus cães de fila?

 
At 25 de fevereiro de 2005 às 22:18, Anonymous Anónimo said...

E a industria corticeira não traz nenhuma mais valia ao concelho, pois emprega uma mão de obra mal paga e não qualificada.
Os jovens do concelho estão sem empregos.
Que futuro iremos ter nesta terra?
A. soares

 

Enviar um comentário

<< Home