segunda-feira, 15 de abril de 2013

AMIGO WOLFGANG...

 
Amigo Wolfgang: 
Espero que esta carta te encontre bem aí em Berlim. 
Acredita que tenho muitas saudades dos tempos que labutei na fábrica da Volkswagen, em que trabalhámos juntos e éramos unha com carne: tu a mandar e eu fazer. 
Formávamos uma bela equipa e eu trouxe recordações das quais nunca mais me vou esquecer: uma hérnia discal, artrite, varizes nas pernas e uma reforma imune a cortes.
Pois que agora li que aí na Alemanha querem contratar 200 mil camionistas e que andam à procura deles no meu querido Portugal.

Eu já não tenho idade para essas aventuras e além disso não tenho carta de pesados, mas informei o pessoal que pára aqui no café da Clotilde de que a oportunidade existe e que é de agarrar com as duas mãos.

Escrevo-te, amigo Wolfgang, para te meter uma cunha. 
O meu cunhado, o André, assim que soube disto dos camionistas quis ir logo para a Alemanha e pôs-se até a tratar do passaporte. 
Eu é que lhe disse que não era preciso. 
Que basta o cartão de cidadão, porque existe livre circulação dos cidadãos da União Europeia. 
Ele não percebeu nada, mas ficou contente por não ter de gastar os 75 euros do passaporte e eu também fiquei contente, por ele e por mim, porque era eu que tinha de lhe emprestar o dinheiro.

Acontece que o André está sem emprego há três anos e acha que isto de ser camionista na Alemanha pode ser um ponto de viragem na sua vida. 
Eu estou a incentivá-lo a ir e até lhe prometi que dava um palavrinha por ele a ti, Wolfgang, que tens bons conhecimentos aí no Governo. 
É isso que estou a fazer. 
Por favor, ajuda o meu cunhado que é um bom moço, apesar de às vezes parecer desmiolado. 
Então não é que se pôs a criticar o Wolfgang Schäuble (pssiuuu!!! que ele não sabe que esse és tu), porque esta coisa da austeridade, diz ele, não leva a lado nenhum, e que esse tal de Schäuble (que afinal és tu) se comporta como um regedor da Europa. 
Já lhe disse para tirar essa ideias malucas da cabeça, porque os alemães são boas pessoas, só querem o bem da Europa e tomar conta de nós, devido à nossa manifesta incapacidade para o fazer. 
Afinal, são vocês que conduzem o nosso destino e nós somos apenas motoristas do grandioso itinerário que nos traçaram para lá chegar. 


Um amplexo forte deste que te estima,

Virgolino Faneca

P.S.: O André está a pensar levar a mulher dele, que é a minha irmã, a Susete, para a Alemanha. Dá uma palavrinha à Ângela se faz favor, diz-lhe que ela é uma jóia de moça e passa muito bem a ferro

Etiquetas:

2 Comments:

At 15 de abril de 2013 às 20:44, Anonymous Filipe said...

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, acaba de retirar do seu currículo oficial um mestrado em Economia Empresarial, pela University College Cork (UCC), que nunca existiu naquela instituição e que o senhor tinha incluído por engano.
Esta malta dos mercados engana-se bués.
Mas mandam. E são moralistas pa'caraças.

 
At 16 de abril de 2013 às 09:00, Blogger Miguel Lomelino said...

Espero que o Wolfgang tenha Google Translator para poder perceber porque senão nada...

 

Enviar um comentário

<< Home