terça-feira, 21 de dezembro de 2004

PINTURA...

Álvaro Lapa,
Mapa Crânio, 1988, esmalte celuloso, 120x170 cm


1939
Álvaro Carlos Dinis Lapa, nasce em Évora a 31 de Julho, o mais velho de 3 irmãos.

1947
O pai é preso durante um período de 3 anos (delito comum) e a mãe procura trabalho no Barreiro, levando consigo os dois filhos mais novos.Lapa fica em Évora (por razões de uma “debilidade aparente”, ou “... questão de cuidado em relação ao mais velho”), passando a viver com os padrinhos. Acompanha-o nesta mudança a mãe da sua madrinha, com quem já habitava em casa dos pais,e que será a pessoa de quem se sentirá “ sempre mais perto” afectivamente.

1950
Aulas em Évora com o pintor Charrua: “ de pintura moderna,ou seja,desenhar a vontade...Eu era suposto aperfeiçoar o desenho de liceu, o meu ponto mais fraco do currículo...”.

1956
Fim dos estudos liceais em Évora. Vergílio Ferreira é seu professor de Literatura nos 6º e 7º anos: “escrever (poesia) era o meu ideal pelo menos desde o meu contacto com o Vergílio Ferreira...”. Muda-se para Lisboa.

1956-58
Vive em Lisboa, onde se matricula na Faculdade de Direito.O Boletim da Associação de Estudantes da Faculdade publica um texto seu sobre Kafka. Com 19 anos, uma “Missão de Arte” em Évora proporciona-lhe o seu primeiro contacto com o expressionismo abstracto, na figura do artista convidado (“Theo Appleby, um expressionista de segunda ou terceira...”).

1960
De 1960 a 1962 frequenta o curso de filosofia na Faculdade de Letras , em Lisboa.

1961
Em Maio-Junho faz a sua primeira viagem ao estrangeiro (Paris). Contacta alguns jovens artistas próximos do Grupo Surrealista. “Eu não tinha contacto (com os Surrealistas portugueses) e tinha uma certa frustração com isso... também um certo orgulho... Um chileno em casa de quem eu fiquei era conhecido de um amigo de Matta...Se há aí alguma coisa de interessante é nesse contacto, menos lendário, mais ao vivo, com o surrealismo”. Ainda em Paris,primeiros contactos com a recente arte norte-americana- “ um cheirinho do Rauschenberg..., que só realmente conheci aos 23, 24 anos,com o (Joaquim ) Bravo e o Charrua. É aí que ele importa”.

1962
Começa a pintar, por “uma questão de anti-invocação”. “O problema de começar a pintar era vencer a inibição diante do Charrua. Mas como eu já tinha sido inibido de escrever pelo Vergílio Ferreira não podia ser mais inibido...Comecei a pintar porque o Bravo começou a pintar...Ele pintou uma coisa a Giacometti, (não sei se era se não, para mim passou muito bem), eu percebi que era fácil. A ideia é que era preciso fazer qualquer coisa,qualquer coisa que eu gostasse”.
Professor do Ensino Técnico em Estremoz (ensina Português) durante um ano.
Conhece António Areal, que tem sobre si “grande influência” ( “ ideológica, e manteve-se: o conceito da Nova Figuração, que ele apresentou e desnvolveu” ): “O Areal estava a funcionar na altura como um líder, como um activador...Voltou (do Brasil) cheio de ideias e de obras, um livro escrito na bagagem, uma aura de maldição, ( que ele cultivava e agravava) e quis levar os outros (os neo-realistas) para um movimento colectivo, de modernodade e exigência e tomada de instituições: quebra de hábitos. Começaram-lhe a virar as costas, a abandoná-lo sucessivamente. Isso para um tipo mais novo funcionava com um certo fascínio. Era um tipo éticamente aureolado...”.
É ainda Areal, que na sua volta do Brasil, traz consigo a “ notícia” ( da existência e obra) de Motherwell, por quem Lapa passa a nutrir uma admiração ( “uma idealização”) constante.
Em Dezembro casa-se com Maria Helena Azevedo, colega de Faculdade.

1963
Afastado compulsivamente da Função Pública.- “ Por razões de uma denúncia (de esquerdismo,...nunca consegui reconstituir).” Nesta altura como noutras o seu activismo político resumia-se, confessa,a uma “ vontade de chocar” (nota posterior de Lapa: “ mas a própria vontade é chocante ,por limitação do artista”). Nasce o filho Hugo.

1964
Aos poucos, vai continuando a tirar cadeiras do curso de filosofia.
Exposições Individuais: Galeria 111, Lisboa, Fevereiro (primeira exposição individual),Galeria Divulgação, Lisboa.
Exposições Colectivas:Salão do Claro-Escuro”, Sociedade Nacional de Belas Artes,Lisboa.

1965
Nasce o filho Frederico. Muda-se para Lagos, onde re-encontra João Cutileiro ( que já conhecia).Vive no Algarve até 1970.
Exposições Individuais. Galeria Divulgação, Lisboa.
Exposições Colectivas: 1º Salão de Arte Moderna, Funchal.

1966
Exposições Colectivas: “ 2º Salão de Arte Moderna, Funchal.

1968
Nasce a filha Sofia.
Exposições Colectivas: “ Novas Iconologias”, Galeria Buchholz, Lisboa;
“ Últimas Revelações da Arte Portuguesa”, Galeria Quadrante, Lisboa;
“ Exposição da Queima das Fitas”, Coimbra(2º prémio); Salão Nacional de Arte, SNI, Lisboa.

1969
Exposição Individual na Buchholz.Sobre semelhanças formais das suas obras com obras de Areal diz:” a melhor maneira de não sofrer a influência do Areal era acentuá-la...”.
Nasce o filho Raúl.
Exposições Individuais: Galeria Buchholz,Lisboa.
Exposições Colectivas: Salão do Banco Português do Atlântico, Sociedade Nacional das Belas Artes, Lisboa.

1970
Viagem na Europa- “ até à Escandinávia...”, Marca-o a visão in loco das experiências públicas “ alternativas” da Amesterdam da altura, da disponibilidade da droga às diferentes formas de gestão da produção artística (“...havia uns tipos que expunham em casa, a ideia era francamente interessante” ).
Exposições Individuais: Galeria Buchholz, Lisboa.
Exposições Colectivas: 1º Salão de Arte de Lagos, Lagos (3º prémio).

1971
Muda-se para Lisboa. Viagem na Europa e no Norte de África.
Separa-se.
Exposições Individuais: “ Escuro como a cova onde o meu amigo se não move”(exposição-instalação), Galeria Buchholz, Lisboa.

1972
Évora e Lagos. Escreve sobre Joaquim Bravo (texto “ um pato?” , catálogo da exposição individual de Joaquim Bravo, Galeria Quadrante, Lisboa).
Exposições Individuais: “ As Profecias de Abdul Varetti, cortinas em ferro e outros objectos, espólio de um escritor falhado”, Galeria Buchholz, Lisboa.
Exposições Colectivas: Exposição “ A.I.C.A.”, Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa.

1973
Subsidiado durante um ano por um amigo, o escultor João Cutileiro.
Também “ empurrado” por João Cutileiro, muda-se para o Porto. Crise psíquica grave, com internamento em Coimbra. Encontra a pintora Maria José Aguiar, com quem passa a viver.
Exposições Individuais: “ Modelos Narrativos/Exposição de Abdul Varettie Álvaro Lapa”, Galeria Quadrante, Lisboa;Cooperativa Árvore, Porto.
Exposições Colectivas: Exposição “A.I.C.A”,Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa; “ Asbstracção e Nova Figuração”, Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa;Cooperativa Árvore, Porto; “ Pintura Portuguesa de Hoje”, Barcelona, Salamanca, Lisboa.

1974
Escreve “ Raso como o Chão”. Escreve sobre Maria José Aguiar; exposição individual de Maria José Aguiar, Galeria Espaço,Porto.
Exposições Individuais: “ O réseau teórico e o castelo de Bragança”, Galeria Espaço , Porto.

1975
Conclui licenciatura em filosofia, no Porto.Inicia projecto do livro “Barulheira”.
Exposições Individuais: “ Os criminosos e as suas propriedades, exposição de literatura”, Galeria Buchholz, Lisboa.
Exposições Colectivas: “ Figuração Hoje?”, Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa;
“ Bosch:” artistas contemporâneos e as tentações de santo Antão”, Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa; Exposição Colectiva na Sede do Partido Comunista Português, Porto; “Colagem-Montagem”, Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa; “Levantamento da arte no século xx no Porto”, Museu Nacional Soares dos Reis, Porto.

1976
Obtém um subsídio da Fundação Calouste Gulbenkian. Reentra no ensino (Ciclo Preparatório, na Póvoa do Varzim), sendo depois contratado para Professor Assistente na Escola Superior de Belas Artes do Porto onde ensina Estética.
Escreve “ Barulheira”.
Exposições Individuais: “ Pintura/Desenho/75-76”, Galeria Quadrante, Lisboa.
Exposições Colectivas: Exposição de inauguração do Centro de Arte Contemporânea/Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto; “ Arte Portuguesa”, Roma/Paris/Rio de Janeiro/Lund; “Salão de Abril”, Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa.

1977
A Editorial Estampa publica “Raso como o Chão”.Escreve “Porque Morreu Eanes”.
Exposições Individuais: Galeria Módulo, Porto; “Escrita (73-76)”, Circulo de Artes Plásticas de Coimbra, Coimbra.
Exposições Colectivas: “Alternativa Zero”, Galeria Nacional de Arte Moderna,Lisboa "O erotismo na arte moderna portuguesa”, Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa e Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto.

1978
A Editorial Estampa publica “ Porque Morreu Eanes” .
Exposições Individuais: Museu Nacional Soares dos Reis/Centro de Arte Contemporânea, Porto (exposição retrospectiva).
Exposições Colectivas: “ Artistas Actuais do Porto nas colecções do Museu Nacional de Soares dos Reis”, Galeria do Jornal de Notícias, Porto.

1979
Escreve sobre Ângelo de Sousa .
Exposições Colectivas: “LIS/79”, Lisbon International Show, Lisboa.11º Festival International de la Peinture Château-Musée,Haut-de-Cagnes,Cagnes-Sur-Mer.

1980
Nasce a filha Violeta.
Exposições Individuais: Arta, Lisboa; “Conversa”, Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, Coimbra.

1981
Casa com Maria José Aguiar.
Exposições Individuais: “monumentos/documentos”, Galeria Roma e Pavia, Porto.
Exposições Colectivas: Antevisão do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa;”LIS/81”, Lisbon International Show, Lisboa.

1982
Editora “& etc.” publica “Barulheira”.
Exposições Individuais: Galeria Quadrum, Lisboa ;Galeria Diferença, Lisboa; “Desenho”, Casa de Bocage, Setúbal; “Desenho(1981/82)”, Galeria Roma e Pavia, Porto.
Exposições Colectivas: “Aspectos do Desenho Contemporâneo em Portugal”, Kultuurforum, Bona, etc; Salão de Arte Moderna, Lagos(3º prémio,pela segunda vez).

1983
Conhece José-Augusto França por quem passa a ser dirigido numa tese de Doutoramento sobre o Surrealismo em Portugal.
Exposições Colectivas: “A História Trágico-Marítima e perspectivas Actuais” , Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa.

1984
Conhece António Dacosta.
Exposições Colectivas: “Os Novos Primitivos”, Cooperativa Árvore, Porto;”Atitudes Litorais”, Faculdade de Letras, Lisboa; EIAM784, 1ª Exposição Ibérica de Arte Moderna, Campo Maior; “Homenagem dos Artistas Portugueses a Almada Negreiros”, Galeria Almada Negreiros, Ministério da Cultura, LisbCarvalho, Lisboa.

1985
Exposições Individuais: Galeria EMI/Valentim de Carvalho, Lisboa.
Exposições Colectivas: “Signos”, Galeria EMI/Valentim de Carvalho, Lisboa;”Os Portugueses no Mundo”, colecção de pintura do acervo do Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto.

1986
Exposições Colectivas: “Litoral”, Coruña/Madrid/Canárias/Lisboa;”Le xxéme au Portugal”, Centre Albert Borschette, Bruxelas; “7ª Bienal Internacional de Arte”, Pontevedra; Salão A.I.C.A/Philae, Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa; “3ª Exposição de Artes Plásticas”, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; “Nove/nine Portuguese painters”, John Hansard Gallery, The University,Southampton.

1987
É-lhe atribuido o prémio de Artes Plásticas da Secção Portuguesa da A.I.C.A.
Exposições Individuais:” Campéstico:Paisagens e Interiores”,Galeria EMI/Valentim de Carvalho, Lisboa.
Exposições Colectivas:”Arte contemporáneo Portugués”, Museo Español de Arte Contemporáneo, Madrid; Exposição de Arte Contemporânea Portuguesa,Macau;”10 amad(e)ores”, Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa;”Exposição de Arte Moderna/Prémio Amadeo de Souza-Cardoso”, Casa de Serralves, Porto(2º prémio,ex-aequo, com Eduardo Batarda); “70-80, Arte Portuguesa”, S.Paulo/Rio de Janeiro/Filadélfia.

1988
Exposições Colectivas:”Década de 70”, Centro de Arte de S.João da Madeira;”Lisbonne, aujourd’hui”, Musée de Toulon, Toulon; “Pintura Portuguesa 1988”, Covilhã/Funchal/etc.

1989
Exposições Individuais: “Trabalhos sobre Papel”, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa;”Que horas são Que horas” Galeria Valentim de Carvalho, Lisboa.
Exposições Colectivas: Bicentenário do Ministério das Finanças, Lisboa; “Portugal Hoy”, Centro Cultural Conde Duque, Madrid; “Art London´89, Londres; 1ª Triennal de Dibuix Joan Miró, Fundació Miró, Barcelona; xx Bienal Internacional de S.Paulo, Brasil; Exposição de Pintura e Escultura do património da Caixa Geral de Depósitos, Ministério das Finanças, Lisboa.

1990
Exposições Colectivas: ARCO’90, Recinto Ferial, Madrid.

1991
Exposições Individuais:Galerias A5, Santo Tirso.
Exposições Colectivas: Colectiva para o Parlamento Europeu,Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa;”Tríptico”, Europália, Museu de Ghent, Bélgica.

1992
Exposições Colectivas:”Arte Portuguesa 1992”, Osnabrück, Alemanha; “Há um minuto no Mundo que passa”, Fundação de Serralves, Porto;”Artistas Portugueses na colecção da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento”, Fundação Calouste Gulbenkian, Centro de Arte Moderna, Lisboa.

1993
Exposições Individuais: “Mesa de Jardim”, Casa Museu Nogueira da Silva, Braga; “Quixote na Bastilha”, Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa.
Exposições Colectivas: “Tradicion,Vanguarda e Modernidade do Século xx Português”, Auditório da Galicia, Santiago de Compostela, Espanha; “Orientações”, Fundação Akemi, Japão; “Obras da Colecção da FundaçãoLuso-Americana para o Desnvolvimento”, Museu de Évora; “Sete Sentidos”, Palácio Rober, Barcelona; “Arte Moderna em Portugal”, Culturgest, Lisboa.

1994
Exposições Individuais: “Retrospectiva”, Fundação de Serralves/Centro de Arte Moderna, Porto/Lisboa.
Exposições Colectivas: Fundação de Serralves; “Um Museu Português”,Auditório de Galicia, Santiago de Compostela, Espanha; “O Rosto da Máscara”, Centro Cultural de Belém, Lisboa.

2003
Exposições Individuais: Galeria Neupergama, Torres Novas
Decoração da Estação De Metro de Odivelas, Metropolitano de Lisboa

2004
Exposições Individuais: “Lâmina”, Teatro Taborda ( Artistas Unidos)

É-lhe atribuido o Grande Prémio EDP 2004, no valor de 35 mil euros, por unanimidade, pela «singularidade do universo criativo do artista, no contexto nacional e internacional».

Etiquetas:

2 Comments:

At 21 de dezembro de 2004 às 11:46, Blogger Zé da Galinha said...

Isto hoje está muito bom...
Dois grandes vultos da nossa cultura.
O Lapa, que conheci em Paris há muitos anos, um alentejano de boa cepa como nós.
Que sofreu na pele,como eu, as amarguras do antigo regime...
No fundo um marginal de grande sentido estético, merece bem o prémio EDP e se a vida não me levar, lá estarei em Serralves, com ele em 2006, para a sua grande exposição.
O outro apesar de não gostar da figura pessoalmente, admiro o sua escrita, apesar do meu amigo Luiz Pacheco ser melhor poeta que ele...

Olha o Século, o Diário de Notícias, o Novidades
Olha a República.

 
At 21 de dezembro de 2004 às 15:47, Anonymous Anónimo said...

Para completar vou enviar os seguintes: Charrua, Cutileiro, Palolo, [uma geração do século XX]

Feliz natal a todos.

J.P.

 

Enviar um comentário

<< Home