terça-feira, 16 de agosto de 2005

ATENÇÃO À CAÇA

Bactéria

Fraciscella Tularensis

Coelhos atacam humanos


A Federação Portuguesa de Caçadores e Proprietários (FNCP) alertou hoje para uma grave doença, transmissível ao homem, que está a afectar coelhos e lebres, e exigiu que o Ministério da Agricultura se pronuncie sobre o assunto.

O secretário-geral da FNCP, Eduardo Biscaia, explicou que a federação teve conhecimento, através de relatórios de médicos veterinários, de que uma grave doença, a tularémia, está a afectar coelhos e lebres em Portugal e poderá vir a infectar humanos que manuseiem animais portadores da bactéria ou ingiram a sua carne.

«Foram detectados, um pouco por todo o país, coelhos e lebres mortos e que não apresentavam quaisquer sintomas» de doença, apesar de a terem contraído, disse o responsável.

«Depois de examinados constatava-se que os animais afectados pela doença apresentam 'bolas gelatinosas' semelhantes a bagos de uva no fígado, baço e pulmões», esclareceu Eduardo Biscaia.

Os animais foram analisados por veterinários, que concluíram tratar-se de tularémia.

A bactéria Fraciscella Tularensis é a causadora da tularémia.

«Os pareceres dos veterinários indicam que existe o perigo de contágio para os humanos, quando do manuseamento dos coelhos ou lebres ou ingestão da sua carne», explicou ainda o responsável.

A entrada da bactéria em território nacional, segundo a FNCP, terá ocorrido com a importação clandestina para coutadas nacionais de coelhos e lebres infectados, provenientes de Espanha.

Eduardo Biscaia disse que vários coelhos e lebres foram encontrados mortos, dos quais 400 só Estremoz.

«Devido à seca não têm sido encontrados muitos animais mortos, mas um possível aumento da pluviosidade poderá aumentar a propagação da doença, visto que é na água que se encontra a forma de contaminação para outros roedores», afirmou o secretário-geral da FNCP que se manifestou preocupado com a situação e por não ter havido, até agora, nenhum comunicado do Ministério da Agricultura ou da Direcção-Geral dos Recursos Florestais sobre o assunto.

Considerando que se trata de um caso de saúde pública, Eduardo Biscaia quer que o Ministério da Agricultura tome uma posição quanto às medidas a adoptar.

«Este problema tem de ser visto com urgência, pois não afecta só os caçadores mas a população em geral», frisou.

«Queremos saber se a carne pode ser comida, uma vez que muitas vezes se desconhece a proveniência dos animais que encontramos à mesa nos restaurantes, e se se justifica o abate de animais», disse Biscaia.

1 Comments:

At 16 de agosto de 2005 às 17:34, Blogger JoaquimMarquesMachoqueira said...

A verdade é que o homem poucas características tem de carnívoro!

 

Enviar um comentário

<< Home