quarta-feira, 19 de outubro de 2005

OPINIÃO



A vendedora de castanhas

O défice é a história desta geração. E da anterior. E da que veio antes.
Quando não houve défice existiu apertar de cinto até aos ossos tremerem.
Como Portugal nunca conseguiu esconder o défice no seu baú das velhas recordações ele é como um fantasma: está sempre presente. E, por isso, todos os Governos prometem ao eleitorado um duelo com o défice.
Como se sabe quase todos os mosqueteiros governamentais acabam abatidos pelo défice. E este alimenta o Fado nacional.
Nada de mais bonito e salutar.
Há agora quem acredite que o próximo Presidente da República tirará do bolso o bilhete da lotaria que acabará com o défice nacional. E, mesmo, com a corrupção, com o populismo, com a incompetência e até com os acidentes de trânsito.
Pode ser que isso aconteça.
Mas, antes, o Orçamento pode ser o elixir do país.
Aumentar os impostos todos fazem.
O que é importante é que a medida sirva para limpar a cara do país.
Para lhe tirar a gordura e o colocar como um atleta capaz de competir pelo futuro.
Só que o Orçamento é como uma castanha.
É saborosa mas pode rebentar nas mãos do Governo.
Portugal não casou com uma feiticeira.
Consorciou-se com uma vendedora de castanhas.
Que rebentam quando menos se espera.


Fernando Sobral

3 Comments:

At 19 de outubro de 2005 às 14:58, Anonymous João P. Guerra said...

Queijo das Ilhas

O mais elevado representante do Partido Socialista Açores, líder local do partido e do Governo Regional, manifestou reservas ao Orçamento de Estado para 2006, “nos termos em que se encontra formulado”, deixando no ar a ameaça explícita de que poderá não “recomendar aos deputados açorianos eleitos pelo PS” um “voto favorável”.

‘Déjà vu’.
Noutros tempos, e com outro governo socialista, sucederam-se as chantagens com os votos para o Orçamento, todas elas com êxito, assinale-se.

O primeiro caso deu-se com o Orçamento Rectificativo de 1999. Os três deputados eleitos na lista do PSD pela Região da Madeira fixaram um preço de nove milhões de contos para votar a proposta governamental.
Depois, em Novembro de 2000, entrou em cena o deputado Daniel Campelo, eleito pelo PP, ao propor-se aprovar o Orçamento de 2001 a troco do licenciamento de uma fábrica de queijo Limiano.

O Governo de António Guterres aceitou o leilão e, num Parlamento empatado a 115 deputados, permitiu que um só deputado ficasse com a faca, o queijo e o orçamento na mão.

Mas negócios destes não se passaram apenas com a “ética socialista”.
Em Março de 2002, com o Governo de Durão Barroso prestes a entrar em funções, os quatro deputados do PSD Madeira entraram no mercado fazendo ver que eram “indispensáveis” para uma maioria parlamentar e lembrando que a Região esperava “determinadas medidas” de Lisboa. Parece ter sido o preço certo.

A verdade é que Barroso recuou em medidas que tinha preconizado em relação à Madeira. E agora voltamos à mesma história. A diferença é que os três deputados do PS Açores não impedem uma maioria que dispõe de 121 parlamentares.

Mas contam para a coesão dos socialistas em tempos de contestação.
Habituado aos Orçamentos Limiano, o PS não vai certamente enjeitar um Orçamento Queijo das Ilhas.

 
At 19 de outubro de 2005 às 15:03, Anonymous JUM said...

MAS QUE CAPITALISMO É ESTE?

As farmacêuticas organizam cambalachos para venderem os medicamentos a preços elevados ao Sistema nacional de Saúde, agravando o défice orçamental que é corrigido à custa do sacrifício dos portugueses e com custos elevados no desenvolvimento económico. Ao mesmo tempo as farmácias gerem o seus estatuto de exclusividade e obtêm margens de comercialização mais próprias de uma loja de vestuário.

A PT usa e abusa da sua vantagem e cobra o que quer e num país carente de desenvolvimento pagam-se os serviços de telecomunicações mais caros, numpaís com grandes carências na educação paga-se caríssimo um acesso á internet.

A televisão pública entrevista o líder de um grupo financeiro sob investigação no mesmo dia em que a PJ faz uma busca às suas instalações numa investigação de crimes de branqueamento de capitais e de fuga ao fisco, e se como isso não bastasse passa o tempo a noticiar a entrevista apresentando-o como homem muito influente colocando-o ao nível do cardeal patriarca. E tudo isto é normal, o banqueiro que é investigado é o patrão dos directores-gerais da DGITA, a direcção-geral que gere o sistema informático do Fisco, aquele onde estão as bases de dados com a situação fiscal dos contribuintes, e como é normal ninguém viu o primeiro-ministro , o mesmo que aproveitou a tomada de posse para fazer o seu auto de fé conta os grupos de interesses, mexer um dedo para acabar com esta situação.

Isto não é capitalismo de nenhuma das estirpes conhecidas, nem sequer é capitalismo selvagem, é um modelo económico que não vem nos manuais, isto é puro proxenetismo económico.

 
At 20 de outubro de 2005 às 10:33, Anonymous Anónimo said...

Apesar do Bolg ser Ponte do Sor, não podemos deixar de falar destes e doutros problemas do País. É impressionante como em vários pontos,o próprio combate à corrupção, p.e., salvo erro o ex-presidente da Câmara do Rio de Janeiro está preso por suspeitas disso, o Brasil passou à frente de Portugal. Em relação ao último escândalo de corrupção neste País, Bancos,a Justiça parece continuar a sacudir para a opinião pública, o que não seria de todso mau, se não ficasse por aí. Quase provada, como parece,tal corrupção, seguramente que a lei preverá mecanismos, do género de congelamento de contas, a fim de serem pagos ao Estado os impostos a que fugiram. Quanto à introdução do inglês na Primária diz a Associação Sindical do Professores de Línguas que 1 000 000 de Euros seriam poupados se em vez de dar o "tacho" às Escolas de Línguas, fossem chamados a ensinar os 4 336 professores de inglês desempregados! E, quanto ao preço do pão, que um jornal diz hoje ir aumentar 10%, num país onde há 2 milhões de pobres que só já devem comer pão e água, isto nem o Salazar fazia, para já não falar no aumento do preço do Passe que disseram ir ser de 4%, quando falam num acréscimo de salários somente igual à inflação, cerca de 2,3% !!

J

 

Enviar um comentário

<< Home