quinta-feira, 30 de novembro de 2006

ESTA GENTE ENGANOU-NOS, MENTIU-NOS, ILUDIU-NOS, ...

O neoliberalismo nada resolve. A frase não pertence a nenhum irritado militante de Esquerda, ou coisa semelhante. Foi seu autor o dr. Francisco Pinto Balsemão, que também criticou, veemente, a invasão do Iraque, que nada resolveu, pelo contrário.

O famoso patrão dos media, militante número um do PSD, proferiu aquela e outras afirmações numa reunião, no Porto, na qual se discutiu a revisão do programa daquele partido. A imprensa, sempre em lufa-lufa de imagética, atribuiu escassa importância ao discurso de Balsemão, embora o que este disse tivesse significado e peso. Dedicou-se, a confusa imprensa, a abrir espaço mais amplo a Pacheco Pereira, também falante na reunião, que nada adiantou ao que, desde há décadas, de sobejo se sabe: o PSD violou a programa e a matriz identitária.

Pacheco procede do maoísmo. Balsemão nunca abjurou das suas convicções. Foi, sempre, social-democrata, com uma prática que correspondia à sua cultura e à noção de eficácia. Nada tem a provar. E observa, com especial ironia, certas afirmações de conteúdo. A matriz identitária do PSD é uma ambiguidade, que resguardou gente de todas as procedências, inclusive da extrema-direita.

Sá Carneiro estava empenhado na luta contra a hegemonia do PCP, e seria um eufemismo dizer que, naquela época, de luta de classes muito marcada, ele manifestava interesse prioritário na construção da social-democracia. Aliás, os documentos políticos daquele partido defendiam a criação de uma sociedade sem classes, a caminho do socialismo. A bizarria correspondia às pressões históricas, e a insegurança social poderá esclarecer e, até, justificar, adesões precipitadas à causa da revolução.

O PSD foi, pois, um partido revolucionário, aliado da revolução, embora abrigasse quem, à sorrelfa, defendia ideais contra-revolucionários, o que também não é de estranhar. Aliás, nada é de estranhar, na convulsa agitação dos anos de PREC. Quem os viveu, jamais os esquecerá: pertencem à aura de muitos sonhos e esperanças, posteriormente derrogados – inclusive por aqueles, provindos da extrema-esquerda, e hoje, como todos os neoconversos, alegoricamente apressurados em proceder a constantes agiornamentos.

Que pretende fazer Pacheco Pereira que Pinto Balsemão não deseje? Realizar o fundamento social-democrata que o partido, onomasticamente recolhe, e averiguadamente não pratica, nunca praticou, sobretudo agora, que o PS está, sem evasivas, voltado à direita? O que Pacheco Pereira denuncia como erros do PSD pertence, irremediavelmente, à história do partido. Segundo alguns doutrinadores, as condições obrigam ao pragmatismo. Porém, quem cria as condições são os mesmos que as podem modificar. Pacheco pretende refundar o PSD, o que me parece absolutamente impossível. As pessoas que compõem os seus quadros dirigentes permitiram a deriva de Cavaco Silva, quando primeiro-ministro (aí, sim, a antisocial-democracia a todo o vapor, além de numerosos sotaques de extrema-direita autoritária), e as aventuras de Durão Barroso e de Santana Lopes.

As proposições de Pacheco não deixam de possuir um elevado grau de astúcia política. Seja o que se lhe aponte, o homem é hábil e, como todos aqueles ex-militantes comunistas, aprendizes da vulgata marxista, sabe muito bem de táctica e de estratégia. Depois, ao invés da esmagadora maioria dos políticos em uso, sabe quem é Herman Broch, não confunde Albioni com Alberoni, leu Platão e Aristóteles, e não diz que Crátilo é uma doença venérea. Além disso, tem defendido a integridade moral, sobrepondo-se à onda de indignidades que varre de ignomínia todos os partidos.

Ele percebe a desfaçatez de um Governo atrabiliário, que administra o País com mão pesada e obtusa contundência. Sabe, também, que o trabalho de Sócrates não constitui nenhuma contribuição para nenhum dos problemas pendentes. Mas também não ignora que, se o PS é um partido rendido aos fascínios do mercado e aos alvoroços do clientelismo, o PSD é uma federação de ressentimentos, e não se recomenda pela coesão ideológica.

Luís Marques Mendes é objecto das mais tenebrosas intrigas e das mais indecorosas acusações. De medíocre a leviano, de incompetente a tolo, já de tudo e do mais foi acusado. Luís Filipe Meneses parece-me bom chefe de família, mas receio que a livre expressão dos seus nobres sentimentos não diga respeito aos talentos exigidos a um político. Meneses é pior do que Mendes, que é um pouco melhor do que Durão e, em comparação com o inexaurível Santana, apresenta-se como uma obra-prima. Como se pode reparar, o quadro é por de mais sombrio.

Pacheco Pereira entendeu, igualmente, que a herança de Sócrates vai ser medonha, e em nada beneficiará o PSD, caso o PSD venha a ascender ao poder nos próximos anos. As reformas têm sido associadas aos indicadores estritamente económicos da situação social. Um país, como o nosso, onde a taxa de desemprego é sistematicamente maquilhada, para simples sustentação governamental, o facto de 90 mil pessoas terem desistido de trabalhar, por não terem no quê; de 64 mil subsistirem de biscates; e de mais de 570 mil trabalhadores estarem desempregados, e com poucas perspectivas de mudança – esse país carece do que é consubstancial à democracia: do discurso da verdade.

Quando pressagia, no Porto, a necessidade de o PSD ser social-democrata certamente compreendeu o que Francisco Pinto Balsemão enunciou: as relações entre democracia e mercado livre são altamente conflituais; e os movimentos civis, emergentes um pouco por todo o lado, caracterizam sinais perturbadores que precisam de ser descodificados.

Já se viu como precipitadas, desastrosas e deploráveis são as deliberações do Governo em matéria de Saúde, Educação, Cultura, Segurança Social, Defesa, Funcionalismo, Agricultura, por aí fora. Não se trata de combater as corporações. Incorpora-se, esta política, numa impreparação para se ajuizar dos mecanismos sociais específicos do País, e aplicar-se regras violentíssimas a fim de se justificar o mercado.

Cito Jean-Paul Fitoussi [La Démocratie et le Marché]: De pouco vale vencer a inflação, eliminar os défices, regressar ao crescimento se, na observação de Amartya Sen, a esperança de vida cair ampla e brutalmente, como aconteceu na Rússia. A continuação desta política provocará, inevitavelmente, graves crispações no tecido social português. A demonstrada ferocidade sobre o mundo do trabalho, a perversa insensibilidade das determinações do Governo, que martirizam reformados, velhos, mulheres e crianças (sim, crianças!) atingem proporções inauditas.

Esta gente enganou-nos, mentiu-nos, iludiu-nos, aproveitando-se, miseravelmente, do vácuo em que nos encontrávamos. E atirou-nos para outro vazio. De facto, o neoliberalismo nada resolve.


B.B.

3 Comments:

At 30 de novembro de 2006 às 22:29, Anonymous Anónimo said...

Levanto-me bem cedo lá para as 10.30-11horas.
Faço logo uma ginástica matinal dando uma estalada a boneco de um pardal de um bloguista para exercitar os músculos.
Tomo um parco pequeno almoço recheado de caviar e champanhe.
Vou numa só tarde a umas 200 inaugurações onde o mesmo pinto, ou a mesma pinta, me passam a vida a tirar fotos.
Reúno os partais e farto-me de dizer que um pasquim é uma Merda e mandando calar todos os que falam contra mim.
Depois com os meus séquito conto umas histórias de viagens fantasmagóricas que fiz.
Se for dia de caça, mando aos borregos e galinhas perseguir quem não se cala e eu fico caladinho a ver.
Chego ao galinheiro e na reunião púbica mando vir mais um lanchinho, pobre com ostras, frutas exóticas e muito D.Perignon.
Mando que me façam as malas para poder, no dia seguinte, ir de viagem até Itália, Roménia, ou Cabo Verde.
Sempre em primeira e nos melhores hotéis.
Reservo lugares para mim e para os meus fiéis seguidores.
Para não parecer que não faço nada, chamo alguns lacaios e dou-lhes ordens.
Digo-lhes o que quero fazer e controlo tudo que fazem.
Ninguém tuge, nem muge.
Depois vou-me embora até à Quinta de Barroqueira, de Audi com motorista do galinheiro, numa simples viagem particular.
Antigamente é que era.
Ninguém chateava e ninguém dizia nada.
Hoje já se ouvem uns piares, mas o Magistério Púbico ainda não quer que eu faça companhia à Tia Fátima, lá para as bandas do Brasil, juntinho ao meu rancho de estimação

Chicken

 
At 1 de dezembro de 2006 às 15:54, Anonymous Anónimo said...

este blog está cada vez mais chato. em vez de ser uma voz atenta à nossa região. passou a ser uma net jornal. assim prefiro ler o jornal.

 
At 1 de dezembro de 2006 às 17:31, Anonymous Pedro Manuel said...

No lugar de "mandares postas de pescada" escreve alguma coisa, o Z.P., publica.

 

Enviar um comentário

<< Home