quarta-feira, 29 de outubro de 2008

SANTANA-MAIA LEONARDO É O CANDIDATO DO PSD À PRESIDENCIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE ABRANTES

O Partido Social Democrata, apresenta hoje às 18 na sede do PSD em Abrantes em conferência de imprensa o Dr. António Santana-Maia Leonardo como candidato à Câmara Municipal de Abrantes.


Para acompanhar a campanha do Dr. António Santana-Maia Leonardo à Câmara de Abrantes consulte o blogue: AmarAbrantes

Etiquetas: , , ,

20 Comments:

At 29 de outubro de 2008 às 16:54, Anonymous Anónimo said...

esta não percebi.... não serve aqui, vai para o concelho ao lado!!!

 
At 29 de outubro de 2008 às 20:38, Anonymous Anónimo said...

Também não entendo, o que tem a ver com ponte sor?

 
At 29 de outubro de 2008 às 20:56, Blogger xuxaman said...

Parabéns António.
Um Pontessorense com a tua competencia, merece.
Aqui, na nossa terra, anda tudo Hipnopintado, só querem viagens, e fundações para fechar brevemente.
Vou mudar o recenseamento para Bemposta, podes contar com o meu voto!
Xuxaman...ex-xuxacialista que deixou de ser yesman do Bugalheira.

 
At 29 de outubro de 2008 às 20:56, Blogger xuxaman said...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
At 29 de outubro de 2008 às 21:08, Anonymous Anónimo said...

DISCURSO DE APRESENTAÇÃO DE SANTANA MAIA


Tal como a maioria dos portugueses, também eu estou profundamente desiludido com a nossa classe política que transformou o Estado e as autarquias num monstro com tentáculos enormes que esmaga, sufoca e asfixia todas as pessoas e empresas que têm a veleidade de querer viver fora da sua dependência. E se o PS é o pai biológico do monstro, o PSD é o seu pai afectivo porque sempre que esteve no poder alimentou-o e acarinhou-o como se fosse seu filho.

Foi, apenas por esta razão, que decidi afastar-me de toda e qualquer actividade politico-partidária e começar a pregar no deserto, como S. João Batista, através da publicação de crónicas em jornais, mais por descarga de consciência do que na esperança de que alguém me ouvisse.

O convite da comissão política de Abrantes do PSD apanhou-me, por isso, completamente de surpresa. Como qualquer pessoa facilmente concluirá, a solução mais cómoda e inteligente seria recusar o convite. Mas havia um problema: se eu recusasse o convite, deixava de ter autoridade moral para continuar a pregar no deserto.

Além disso, tenho no concelho de Abrantes as minhas raízes familiares e duas das minhas grandes referências morais: o meu tio João Santana Maia e o meu tio Manuel Santana Maia. O meu tio João, mais conservador, o meu tio Manuel, mais progressista, mas qualquer um deles com um alto sentido do dever, devotado aos outros e à causa pública.

O concelho de Abrantes é um caso típico de como os milhões e milhões de euros da união europeia que, desde 1993, desaguaram nas nossas autarquias, em nada contribuíram para cimentar aqueles valores que fortalecem as democracias e são o único e verdadeiro motor do desenvolvimento. Ou seja, o espírito crítico, a livre iniciativa, a independência da sociedade civil face ao poder político e a liberdade de expressão e de opinião.

Por alguma razão, estamos na cauda da Europa, excepto no que diz respeito à corrupção, ao clientelismo, ao compadrio e ao esbanjamento de dinheiros públicos em que ocupamos orgulhosamente um dos lugares cimeiros.

As obras públicas são importantes, obviamente. Mas mais importante do que as obras é cada um de nós sentir, em cada momento, que é um homem livre. Livre para pensar, livre para criticar e livre para fazer. E a única forma de se viver em liberdade na nossa terra é nunca permitirmos que alguém se sinta senhor do nosso voto ou dono do nosso concelho.

O 25 de Abril vendeu-nos a ilusão de que, com a decapitação do regime, o monstro fascista morria, libertando a sociedade civil das suas garras tentaculares. Foi um erro de análise. Ao contrário do que julgaram os militares de Abril, o monstro fascista não era um polvo, mas uma hidra. E com a decapitação do regime, as cabeças da hidra irromperam na nossa sociedade tomando conta do aparelho de Estado, das instituições, das autarquias e das associações.

Se queremos um Portugal mais justo, mais solidário, mais livre, onde se permeie efectivamente o mérito e o trabalho temos de matar a hidra. Eu sei que é um trabalho de Hércules. Mas só há uma maneira de o conseguir: através do exemplo. O exemplo é a única forma de ensinar. É no exemplo que se funda a verdadeira autoridade.

Fui o 1º classificado do curso de oficiais de Mafra e fiz o serviço militar no BIMec de Santa Margarida. A minha companhia era sempre escolhida para as demonstrações, devido ao seu elevado grau de operacionalidade.

A explicação para o sucesso da minha companhia é muito fácil de perceber. Nas outras companhias, os oficiais distinguiam-se por vestir casaco de cabedal, usar óculos escuros e dar ordens. Na minha companhia, os oficiais não se distinguiam dos soldados por nenhuma peça de vestuário porque só usavam as peças de vestuário que os soldados podiam usar. Na minha companhia, os oficiais distinguiam-se dos soldados por outras razões: nos exercícios, o oficial era o primeiro a fazê-los; nas refeições, o oficial era o último a ser servido.

E é assim que deve ser. Há uma grande diferença entre mandar e comandar. Quem manda dá ordens; quem comanda dá o exemplo. À medida que se sobe na escala hierárquica, devem aumentar as obrigações e diminuir os direitos.

Tem sido esta, aliás, a regra que tenho seguido sempre que tenho sido presidente do que quer que seja. E esta é a única maneira de matar a hidra, o tal monstro com tentáculos enormes que tomou conta do aparelho de Estado, das instituições, das autarquias e das associações.

Tenho a consciência de que o nosso exército é pequeno e que o combate vai ser duro e desequilibrado. Mas isso não nos deve desanimar, nem fazer desistir. O importante num combate não é estar do lado do exército maior e mais poderoso, mas estar do lado certo.

E este combate vai ser a nossa Aljubarrota. Em Aljubarrota, lutámos pela independência nacional, agora vamos lutar pela nossa independência, pela independência de cada um de nós face ao poder político.

A mudança de mentalidades e de comportamentos que protegem os amigos e os medíocres e penalizam quem cumpre e quem trabalha tem de começar por algum lado. E vai começar por aqui.

O meu repto vai para o povo de Abrantes, independentemente das suas convicções políticas ou religiosas.

Tal como em Aljubarrota, o nosso combate vai ter de ser feito com o povo e os homens livres deste concelho, porque a nobreza de Abrantes, cujos cargos, tachos e penachos dependem da câmara e do Governo, está toda ao lado de Castela, ou seja, do poder socialista.

Apelo, por isso, a todos aqueles que estão fartos de viver com a cabeça baixa e a mão estendida à espera da rodela de chouriço com que o poder socialista costuma comprar os votos dos pobres. Todos nós sabemos que os socialistas só dão uma rodela de chouriço a quem lhes der uma vara de porcos.

Povo de Abrantes! Homens livres de Abrantes! A vossa participação é essencial para vencer este combate decisivo por Abrantes, por Portugal e por cada um de nós.

Para se alistarem no nosso exército, só necessitam de três coisas: agarrar na consciência, endireitar a coluna e amar Abrantes.

 
At 30 de outubro de 2008 às 00:01, Anonymous Anónimo said...

Para o povo de Abrantes, quem é este "artista" para ocupar o gabinete do Edificio Falcão ?.
O PSD cá do burgo anda mesmo pelas ruas da amargura. Então o "dotor" da Universidade Internacional já não presta para numaro 1 da lista ?.

 
At 30 de outubro de 2008 às 00:54, Anonymous Anónimo said...

Tem tudo a ver. É uma pessoa de Ponte de Sor que, para não variar muito, é fora de Ponte de Sor que é admirada. Ponte de Sor mete nojo por isso mesmo. Muito má mãe mas uma óptima madrasta. Temos em Ponte de Sor inúmeros exemplos disso. Se tivessem possibilidade de botar abaixo o Dr. Santana Maia por algo que lhe acontecesse, estavam todos de perna aberta prontos a enterrar ainda mais o homem. Agora que ele está a ter a atenção e a valorização que nunca lhe souberam dar dizem basicamente que não é de Ponte de Sor. A pensar assim até acredito que esteja a cagar para Ponte de Sor e para os pontessorenses. Não o critico por isso e partilho da sua opinião se é esta mesma a sua ideia.
É melhor o inteligente Dr. Taveira Pinto. Esse traste de merda que engana toda a gente, faz uma gestão do dinheiro público digna de um inútil e incompetente. O único know-how que Taveira Pinto tem, digna de um asno que só ele representa melhor, é o da vigarice. Enquanto em Abrantes, que é uma cidade anos-luz à frente de Ponte de Sor (que fiquei a saber através de dados concretos que é das cidades com maior êxodo e maior diminuição dos índices que compõem a medição de qualidade de vida) existe contenção em certas áreas não estruturantes, por cá distribui-se dinheiro de uma forma que ate assusta. Enquanto nós, que temos uma cidade e um concelho cuja palavra de ordem é extorquir o dinheiro dos munícipes em nome do socialismo para depois aplicar esse dinheiro sem controlo e medida em Fundaçoes, Aerodromos e electrico, nos concelhos a serio como Abrantes, diminui-se esse tipo verbas para alocar naquilo que é estratégico e necessário às populações. E maior parte dos gastos do município de Ponte de Sor são uma péssima despesa, não servem a ninguém e deviam ser alvo de inspecção.
Para terminar, queria dar os parabéns ao Dr. António Santana Maia. Estou certo que a população de Abrantes, como cidade evoluída, está disposta a ouvi-lo e disponível para saber que mais valias conseguirá proporcionar na vida dos seus cidadãos. Se os eleitores o levarem ao poder, estou convicto que, para além de assombrar o Dr. Taveira Pinto e quem acredita nele com a sua altura, conseguirá também abafar Ponte de Sor com competência, eficiência, boa gestão e visão, valores esses que não lhe faltam e que Ponte de Sor não tem nem terá com Taveira Pinto e com gente que vê no mérito dos outros uma ameaça.

 
At 30 de outubro de 2008 às 15:01, Anonymous Anónimo said...

Para o anónimo das 12.54.
Se no seu comentário o concelho de Abrantes tem uma gestão exemplar, porque razão é que um paraquedista qualquer(com respeito aos páras em qual pertenci), se vai cãodidatar á presidência. Um leopardo que pelo facto dos seus familiares afastados terem exercido em Abrantes já se arroga de Abrantino e conhecedor dos problemas do Concelho. Tem como mandatário um dotor Euro-Rico, que já correu todos os partidos politicos, desde a esquerda radical (Luar, UDP), até á direita mais reaccionária, como o MIRN do velho Kaúlza.

 
At 30 de outubro de 2008 às 16:16, Anonymous Anónimo said...

Alguém me pode dizer o que se passa com a fundação. Corre que aquilo fechou. E os quadros? E o Prates? E aquilo é uma fundação ou não é? E o Bugalheira pode fechar aquilo por capricho ou já está a pensar em dá-la à actriz da ribeira das vinhas? Mais uma que vai sacar.......

 
At 31 de outubro de 2008 às 00:11, Anonymous Anónimo said...

Quando passei lá pela rua estava aberta, também ouvi dizer que fechou, tão rápido? O Prates não diz nada? Ouvi que já têm outra coisa para meter lá dentro.E vamos todos ao teatro? á biblioteca? ou ao caraças que ninguem entende nada disto.

 
At 31 de outubro de 2008 às 11:07, Anonymous Anónimo said...

não sou do partido desse Sr, ainda assim, parabens e boa sorte

 
At 1 de novembro de 2008 às 11:25, Anonymous Anónimo said...

É com muito gosto que vejo um conterraneo a concorrer quer seja em Abrantes ou em qualquer outra parte.
Desejo-lhe as maiores felicidades.

 
At 1 de novembro de 2008 às 19:07, Anonymous Anónimo said...

Podem-me dizer a naturalidade deste camarada ?.

 
At 2 de novembro de 2008 às 00:12, Anonymous Anónimo said...

Olha amigo se vamos pela naturalidade não vamos longe, Ponte de Sor é terra de ninguém, má mãe e óptima madrasta.

 
At 2 de novembro de 2008 às 11:00, Anonymous Anónimo said...

Que alivio para os laranjinha da terra... é menos um problema....

 
At 2 de novembro de 2008 às 19:50, Anonymous Anónimo said...

António Santana Maia Leonardo

Ser autarca significa ser capaz não só de fazer face às necessidades básicas colectivas das populações, redistribuindo a riqueza, mas sobretudo ter a capacidade de sonhar a cidade e dessa forma projectar uma afirma-
çâo de identidade, que através da mobilização do capital humano e financeiro, permita a criação de um espaço material e espiritual de realização dos residentes e de atração de mais-valias.
A proximidade/distanciamento da tua relação com Abrantes e a tua criatividade são bons augúrios para este teu empreendimento, de que os Abrantinos e os Pontessorenses beneficiarão.
BJs

 
At 2 de novembro de 2008 às 20:52, Anonymous Um colega do La Salle said...

O Tonho é um Homem sério e honesto, Abrantes ganha com a sua candidatura.
Força, Tonho.
Abrantes vai ganhar contigo.

 
At 3 de novembro de 2008 às 19:33, Anonymous Anónimo said...

Ponte de Sor e o PSD rejeitaram o Santana Maia e com muita razão. O homem percebeu que não é bem recebido cá para estes lados e mudou e bem.às vezes temos que ter a humildade de nos apercebermos que estamos deslocados. Boa sorte para o nosso conterrâneo!

 
At 6 de novembro de 2008 às 18:29, Anonymous Joaquim Lizardo said...

O PSD de Ponte de Sor, através da actual comissão politica, da qual faço parte, nunca rejeitou ou rejeitaria qualquer intervenção ou colaboração de um seu distinto militante. O António, é (mais) um daqueles casos, que pela sua idoneidade, inteligencia, capacidade de trabalho, entre outros bons atributos, o PSD jamais poderia deixar de contar com ele, como bem sabe. Certamente que o PSD e Ponte de Sor só perdem em não poder contar com ele nas proximas eleiçoes, compreendemos o quão dificil muitas vezes é, sentir-mo-nos sozinhos num combate desigual.
Parabens Antonio.

 
At 14 de novembro de 2008 às 15:55, Anonymous oliveira said...

Desejo a melhor sorte aquele que será o meu futuro presidente de camera. Já agora quem recorre ao insulto provavelmente por falta de outros argumentos para nao dizer algo pior tente saber a naturalidade do actual presidente da C.M.A. Bom trabalho neste grande desafio que o levará estou certo a presidente.

 

Enviar um comentário

<< Home