segunda-feira, 25 de julho de 2005

ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS


E o Ramalho Eanes pá, ninguém lhe liga?

Vá lá, telefonem-lhe.

Sabe-se lá...

5 Comments:

At 25 de julho de 2005 às 16:15, Blogger Alexandre Mello-Alter said...

PRESIDENCIÁVEIS
Dias atrás, um dos meus colegas nas lides do Editorial, pedia nomes a apresentar como candidatos às presidenciais de Janeiro de 2006.
Eu lembrei-me, que há uns anos no Brasil, aquando da eleição ganha por Collor de Melo, um grupo de cidadãos, propôs a candidatura de um macaco.
Obviamente que um macaco, por não pertencer à fauna nacional, teria poucas hipóteses de receber um considerável apoio.
Isto não é um acto xenófobo, não tenho absolutamente nada contra minorias, podem estar certos. É simples bom senso.
Pensei então encontrar um animal bem representativo da nossa fauna autóctone.
E como bom alentejano que sou, não precisei pensar muito, o coração falou mais alto.
Estou disposto a promover a candidatura de um PORCO.
Que tal Alberto João Jardim ?

 
At 26 de julho de 2005 às 09:46, Anonymous JUM said...

Bastou que uma eventual candidatura presidencial de Soares se tornasse numa realidade provável para que muita gente desse largas ao disparate; ou não estavam à espera, o que abona a favor da sua inteligência, ou estavam a contar com o “ovo no cu da galinha” e não conseguem esconder o nervosismo.

Marcelo Rebelo de Sousa deu o monte no seu programa na televisão pública ao dizer com o ar mais sério deste mundo que o próximo PR devia ser versado em política económica, pouco faltando dizer que o titular do cargo deveria abandonar o Palácio de Belém e ocupar um das alas do tal hotel de charme que Santana Lopes prometeu para o Terreiro do Paço. Marcelo esqueceu que foram governos de Soares que salvaram o país e da bancarrota e que da última vez que Portugal foi de alpargatas pedir para a porta do FMI a responsabilidade foi de um tala Aníbal que era ministro das Finanças e decidiu proceder a uma estuporada revalorização do escudo, apelando aos tiques salazaristas de algum eleitorado que tanto o aprecia.

Pacheco Pereira nunca escondeu o seu apoio a uma candidatura de Manuel Alegre, seriam umas eleições mais disputadas ideologicamente mas garantia ao PSD a recuperação do eleitorado do centro; agora está enraivecido.

Manuela Ferreira Leite que se especializou em aldrabar as contas públicas e ganhou balanço para aldrabar a história, e diz-nos que Soares está desactualizado do país lembrando que os problemas não são os mesmos de há 10 ou 20 anos; Ferreira Leite esquece que cavaco abandonou a vida política activa ainda antes de Soares deixar Belém e que enquanto cavaco dedicou o seu tempo à intriga política Soares ainda teve tempo para cumprir um mandato como deputado no Parlamento Europeu. E como Ferreira Leite acha que somos parvos de um todo ainda tem lata suficiente para dizer que Cavaco é um candidato independente enquanto Soares é um candidato do PS.

Mas como os disparates eram poucos para um único dia vem o Pacheco Pereira dizer-nos que «Soares será o candidato da instabilidade e Cavaco da estabilidade»; Pacheco esquece que foi Cavaco que pôs Santana Lopes a dançar com aquela saída da “má moeda”, e todos sabemos que mais do que com o país Cavaco Silva estava preocupado com os prejuízos que Santana poderia trazer à sua caminhada triunfante para o Palácio de Belém.

Tenham calma, bebam uma alka-seltzer e pensem antes de dizerem mais disparates.

 
At 26 de julho de 2005 às 09:48, Anonymous Anónimo said...

EMBUSTE

Chama o Alberto às candidaturas de Cavaco e Soares:



«Alberto João Jardim chorou. Emocionado, dirigiu, qual maestro, "O Coro dos Escravos" da Ópera "Nabuco" (em que os escravos hebreus lamentam o seu cativeiro) e pediu aos milhares de pessoas que subiram ao Chão da Lagoa para "darem as mãos" e acompanharem-no num "Viva à liberdade ao povo madeirense" e "à liberdade da Madeira". O discurso foi o da praxe. O mesmo de sempre e sem grandes polémicas. Nem Marques Mendes foi visado. Jardim pesou e repetiu-se nas palavras, centrando-as no tema presidenciais e nas relações com a Assembleia da República (AR).»

DN

 
At 26 de julho de 2005 às 09:49, Anonymous Anónimo said...

BEBEDEIRA

31, foram os copos que Alberto bebeu:

«Entre as 10.45 e as 13.00 horas, antes das intervenções políticas, Alberto João Jardim bebeu ontem 31 copos, um por cada ano de existência do PSD na Madeira. Exclusivamente de bebidas alcoólicas. Esteve, como viria a acontecer no discurso, muito mais moderado do que nos anos anteriores, ao passar abstémio em duas dezenas das 60 tasquinhas, com poucas farpas pelo meio.»

Público

 
At 26 de julho de 2005 às 16:16, Anonymous Anónimo said...

Com a brincadeira das presidenciais, o PS vai ser o responsável político por, pela primeira vez na História do Portugal Democrático, "oferecer" ao povo um Presidente de direita. Soares e Sampaio agiram com atitudes de direita, mas são oriundos de uma formação de esquerda. E agora: Cavaco? Freitas?
Soares outra vez?
Manuel Alegre só será eleito se a vontade democrática se aliar a um contexto revolucionário na política e na sopciedade. O que não me parece... A ver vamos.

 

Enviar um comentário

<< Home