sexta-feira, 23 de setembro de 2005

MANUEL ALEGRE


Movimento cívico de

apoio à candidatura


de Manuel Alegre

Recordo-me de Antero. O intróito deste texto já estava gizado, mas elidi-o quando o pensamento, ao fluir, se encontrou com “as causas da decadência”… Embarguei-o. Não podia introduzir aspas no intangível, mas a sensação de rapina infiltrou-se. E recordei Antero, autor do percuciente ensaio “As causas da decadência dos povos peninsulares”. Amputo as duas últimas palavra, abdico do plural precedente, e assoma “As causas da decadência de Portugal”.

Seria petulância exacerbada acreditar que seria capaz de perscrutar as razões que subjazem ao declínio de Portugal. Não é, destarte, meu propósito proceder a uma prolixa exposição que incida sobre os nutridores da decrepitude portuguesa, pelo que me cinjo à detecção da mais excruciante pústula que criva o corpo de Portugal: a lassidão cívica. Se a política apresenta máculas, não é intelectualmente probo ilibar o povo. O “partidarismo” monopolizou a vida cívica, tendo-se esvaído toda o enlevo que a política, logo após o 25 de Abril, infundia nas massas. Hoje, o povo mantém-se distante e entorpecido. A desilusão levou a que, progressivamente, as massas alienassem as suas responsabilidades cívicas, delegando a missão de edificar Portugal na classe político/partidária. Quando se manifesta o “povo”? Vocifera quando uma câmara explora as suas lamúrias plangentes, ou quando sente que um dedo esguio e astuto provoca pruridos perto das virilhas. “Mexem-nos nos bolsos”, bradam. Depois hibernam. E a “res publica” volta a ser de uns, reduzindo-se grande parte dos diálogos sobre “a política” aos argumentos carcomidos, segundo os quais “os políticos são todos iguais”. Nem diálogo é. São verrinas rudes, com meneios de cabeças. Aquiescentes ou não, dependendo do contexto. Mas existem razões, porque faltam ideais impolutos, credibilidade. Faltam, essencialmente, estímulos que incutam nas massas a crença de que é possível depurar a democracia.

Alegre, acabrunhado, abdicou da sua candidatura por razões de fidelidade partidária. Apesar de compreender o intento de não provocar cesuras na esquerda, digladiando-se contra o candidato oficial do “partido”, Alegre golpeia o ideal cívico ao sucumbir às lógicas partidárias. Se “a República não tem donos”, a Democracia também não. Sendo assim, exaspera-me assistir à prostração de um cidadão devido à palavra de um partido. A Democracia faz-se com os cidadãos, incluindo os apartidários, como eu. Se Alegra está no seu “quadrado”, manietado pelo partido e refém deste, ergam o gládio cívico os cidadãos que repudiam a redução da política ao partidarismo. Ergamo-nos, pois, nós. Erga-se, pois, Alegre. Ergamo-nos todos, alegres.

A política não se faz sem o sonho, e os portugueses deixaram de sonhar. São eles, na verdade, os seus próprios castradores. A mera hipótese de Alegre se insurgir, com um vasto sustento cívico destituído de elos partidários, contra a modelação do regime em função das volições egocêntricas dos partidos, originaria, acredito, a adesão daqueles que, estremunhados, regressam do exílio cívico. Alegre faria sonhar, como outrora, quando evidenciava a sua índole refractária contra a opressão ditatorial. Também há opressão em Democracia. Se Manuel Alegre contribuiu para erigir a Democracia, pode auxiliar na missão de aprimorá-la.

Em nome da cidadania, em nome da Democracia, decalco Antero e, dirigindo-me “A um Poeta”, exorto: Surge e ambula!

A um Poeta

Tu que dormes, espírito sereno,
Posto à sombra dos cedros seculares,
Como um levita à sombra dos altares,
Longe da luta e do fragor terreno.

Acorda! É tempo! O sol, já alto e pleno
Afugentou as larvas tumulares…
Para surgir do seio desses mares
Um mundo novo espera só um aceno…

Escuta! É a grande voz das multidões!
São teus irmãos, que se erguem! São canções…
Mas de guerra… e são vozes de rebate!

Ergue-te, pois, soldado do Futuro,
E dos raios de luz do sonho puro,
Sonhador, faze espada de combate!

In:http://www.thepetitionsite.com/takeaction/299873327?ltl=1127477226

3 Comments:

At 24 de setembro de 2005 às 09:08, Anonymous Anónimo said...

Manuel Alegre: "Não me resigno à vitória do professor Cavaco Silva"

Presidenciais

Manuel Alegre quer candidatar-se e está a reunir condições

O socialista Manuel Alegre admitiu hoje avançar com uma candidatura às eleições presidenciais, afirmando que tem "vontade política" e está a reunir condições, em declarações à Rádio Renascença citadas pela SIC Notícias.

Entrevistado pela rádio, Manuel Alegre revelou ter "vontade política" de se candidatar à Presidência da República e disse estar a "reunir as condições necessárias", justificando que "faz falta um candidato" para ajudar os indecisos a decidir o voto.

Manuel Alegre considera que "é necessária outra candidatura para enfrentar uma segunda volta nas eleições", baseando-se nas últimas sondagens, que dão a maioria das intenções de voto a Cavaco Silva, com Mário Soares, o candidato apoiado pelo PS, em segundo lugar.

"Não me resigno à vitória do professor Cavaco Silva", disse Manuel Alegre, acrescentando: "não é impossível derrotá-lo".

"Penso ser o [candidato] que está em melhores condições para o fazer", argumentou.

Manuel Alegre rejeitou qualquer ideia de "tabu" sobre a sua possível candidatura: "se tivesse os meios de que os outros candidatos dispõem já a teria anunciado", afirmou.

LUSA

 
At 24 de setembro de 2005 às 12:14, Anonymous A.G. said...

Enquanto há Vida, Há esperança...

Sonhos, ventura, desgraça
Tudo no mundo é mudança,
Tudo munda, tudo passa.



O nascimento e a morte,
São dois pólos da vida
Aos 50 chega o norte,
Descemos logo em corrida.



E a vida não tem idade.
É como um sopro do vento,
Não é mais do que um momento,
Anseio a eternidade



A vida não envelhece,
É do Eterno, uma graça,
Nela é que o tempo é refece
É que morre, é que passa.



Nasce a vida condenada
A esta fatalidade,
De ser um salto do nada
Prò seio da eternidade (...)

 
At 26 de setembro de 2005 às 09:18, Anonymous Anónimo said...

"Conto estar aqui em Janeiro como candidato presidencial para derrotar Cavaco Silva", disse Manuel Alegre, 69 anos, numa intervenção durante a apresentação dos candidatos do PS à Câmara Municipal de Águeda, sua terra natal.

Na sua intervenção, Manuel Alegre disse que a sua candidatura vai conseguir forçar a realização de uma segunda volta nas eleições presidenciais.

"Não venho para dividir, mas para somar votos à esquerda e forçar uma segunda volta nas eleições presidenciais. É a minha candidatura que o vai conseguir", afirmou.

Estou muito feliz e cheio de esperança. O povo é sábio (e também republicano!).

 

Enviar um comentário

<< Home