terça-feira, 10 de abril de 2007

O ENGENHEIRO JOSÉ SÓCRATES QUE ANTES DE SER JÁ ERA



Sobre o "caso exemplar" do esforçado estudante José Sócrates, e o prodígio dos graus académicos antecipados.



Manuel Azinhal

Etiquetas:

10 Comments:

At 10 de abril de 2007 às 17:54, Anonymous P. said...

Neste momento do panorama político e educacional do país é impossível não voltar a abordar este tema. Já frisei anteriormente aqui que o que está em causa não são os títulos académicos de José Sócrates. O que é importante é se existe alguma mentira no seu percurso académico ou se ele mesmo é fruto de uma Mentira.


Só no nosso país medíocre é que se avalia a qualidade pessoal de uma pessoa através do seu cargo ou currículo, e não pelo seu percurso social e de vida.
Só cá no nosso burgo é que é importante ostentar antes do nome que os nossos paizinhos nos deram, as letras Dr., Eng., Arq., Prof. ou afins... Ainda somos de uma pequeneza enorme em relação a isto.


Apesar de eu não ter uma licenciatura ou doutoramento ( porque simplesmente não foi essa a minha opção, apesar de ter possibilidades de ter seguido a vida universitária. Simplesmente optei por não a seguir e assumindo as vantagens e consequências de não ter uma licenciatura ou algo semelhante...), tenho um orgulho enorme quando me tratam por senhor.
Sim, Senhor!
Isto sim é importante! Esse é o reconhecimento que deveria existir simplesmente, e os títulos somente usados no ambiente profissional próprio.


Aplaudo e saúdo com bastante orgulho quem seguiu a vida universitária e conseguiu alcançar esse “estatuto” através de esforços vários, á custa de muitas noites perdidas, atrasos no emprego, as amizades e a família postas de lado por um fim maior. Bravo!!!


Mas fico irritado solenemente, quando oiço que alguém tirou o curso por favores, tráfico de influências ou por aproveitamento das amizades que tem.
Isto é inadmissível!!!
Para além de menosprezar o esforço dos outros.


Espero que José Sócrates clarifique esta situação correctamente para não existirem mais dúvidas; pois não quero uma pessoa mentirosa no governo do meu país, seja ela doutora, engenheira ou arquitecta, ou simplesmente senhora...

Estou á espera...

 
At 10 de abril de 2007 às 18:20, Anonymous J.G. said...

A inutilidade real da tão celebrada entrevista de José Socrátes.
Ontem, nas notas de rodapé do Telejornal da RTP, já vinha a preparação para o "momento Omo lava mais branco": "fulano na grande entrevista quando passam dois anos de governo, com grandes contestações às reformas" e bláblá do género.
Independentemente do que acontecer, estes dias provaram que o homem não é à prova de bala e que a sua credibilidade - não a legitimidade política que essa obviamente conserva-a - para chatear toda a gente acabou.
Fazem por isso muito bem todos e todas aquelas que se sentirem atingidos na sua dignidade profissional pelas medidas "reformistas" do governo em recorrer aos tribunais mesmo que estes não façam outra coisa nos próximos anos. Prove-se, finalmente, que esta choldra é mesmo um Estado de direito e não uma imensa lavandaria.

 
At 10 de abril de 2007 às 18:56, Anonymous Anónimo said...

Uma coisa e certa se este senhor fosse um aluno inteligente teria entrado para uma Universidade do estado e nao para uma coisa que nao vale nada porque basta pagar para lhes darem o tal diploma.
Portanto como este Pais pode ir para a frente quando os nossos governantes forma umas nulidades quando estudavam.
Por isso caem tuneis(Pr Comercio)Pontes(entre rios) Linhas ferreas.
Faz lembrar aquele "engº" brasuca que enganou os tipos d aCAmara e ate lhe aprovavam as plantas todas a ele e de outros que sao arquitectos ou eng chumbavam, o brasuca foi esperto, agora ate tenho vergonha d edizer que sou da Ponte, vao logo dizer que sou da terra ond eo brasileiro e o da concertina fez deles OTARIOS.

 
At 10 de abril de 2007 às 19:23, Anonymous Anónimo said...

A vergonha de prodígio...calinadas atrás de calinadas. Mas alguém acredita ainda neste matarruano. O choque tecnológico devia era transformar-se em choque electrico na língua para ser menos arrogante e mentiroso.

 
At 10 de abril de 2007 às 19:27, Anonymous Anónimo said...

há 2 ou 3 anos na CGD de Ponte de Sor, perguntaram-me além do nome, o que queria que figurasse nos cheques, ao que perguntei "- os padeiros, mulher a dias...costumam colocar alguma coisa? Porque hei-de eu querer?"
A funcionária então respondeu que muitas pessoas não queriam, simplemente exigiam.
É O PAÍS QUE TEMOS.

 
At 10 de abril de 2007 às 22:06, Anonymous C.Lourenço said...

Tornou-se um lugar comum dizer que "um canudo não vale nada". Sobretudo entre os "drop-outs" do ensino secundário ou superior, que precisam de justificar o abandono prematuro dos estudos. Se assim é, porquê tanto alarido em torno do "diploma" de Sócrates? Afinal um canudo tem ou não importância?

Tem: uma licenciatura pode fazer a diferença entre ficar ou não sem trabalho (o desemprego é muito menor entre licenciados).

Isto significa que quem não completou a faculdade não pode exercer cargos de destaque na sociedade, mormente na política? Não. Recordo-me de uma entrevista a John Major, em que o antigo primeiro-ministro me disse nunca ter sido discriminado por não ser licenciado...

É natural: na política conta a competência de quem vai a votos, não as notas que teve na escola. Isto reduz a polémica em torno do "diploma" a um "fait-diver"? Não. Sê-lo-ia se o primeiro-ministro tivesse esclarecido cabalmente o assunto, a tempo e horas. Mas a forma como lidou com o dossier, pondo a nu ligações estranhas (para não dizer perigosas) entre o PS e o "establishment" da Universidade Independente, criaram-lhe um problema.

Que precisa de ser esclarecido.

 
At 10 de abril de 2007 às 22:26, Anonymous Francisco Manuel Silva Lopes said...

O(a) Anónimo afirma isto:

«há 2 ou 3 anos na CGD de Ponte de Sor, perguntaram-me além do nome, o que queria que figurasse nos cheques, ao que perguntei "- os padeiros, mulher a dias...costumam colocar alguma coisa? Porque hei-de eu querer?"
A funcionária então respondeu que muitas pessoas não queriam, simplemente exigiam.
É O PAÍS QUE TEMOS.»

Eu fui testemunha no antigo banco Totta & Açores, de um militante do PS e membro do órgãos sociais da Fundação António Prates, a pedir que o Dr. figurasse nos seus cheques, o figurão chama-se:
José Rafael Correia da Silva.

 
At 10 de abril de 2007 às 22:34, Anonymous Anónimo said...

QUANTO MAIS SE MEXE NA MERDA...

«Há interesses que querem calar a verdade», diz
A Universidade Independente (UnI) denunciou, esta terça-feira, a existência de «interesses» que querem encerrar a instituição de forma a «calar a verdade e enterrar o passado para que nada se descubra», diz o corpo directivo, reitoral, docente e administrativo da universidade.


Numa carta aberta ao ministro do Ensino Superior assinada pelo corpo directivo, reitoral, docente e administrativo da universidade, os signatários afirmam ter sido «surpreendidos pela profundidade das ligações e das implicações» em torno da polémica que envolve a instituição.

«Hoje vemos que existem muitos interesses que procuram encerrar a nossa instituição de forma a calar a verdade e enterrar o passado. Para que nada se descubra», acusam.

Na missiva, os responsáveis afirmam-se ainda vítimas de pessoas que «querem apenas acertar contas», usando a UnI como «arma de arremesso».

Alvo das acusações da Independente são também outros estabelecimentos de ensino superior privado, que a universidade considera não terem adoptado uma postura correcta no caso.

Salientando o «prestígio» da instituição ao longo dos seus 13 anos de existência, os signatários afirmam ter sido a gestão danosa da SIDES (empresa proprietária) que «acabou por afectar a universidade».

Apesar da polémica e da emissão pelo ministro de um despacho provisório de encerramento compulsivo da universidade por «manifesta degradação pedagógica», os responsáveis acreditam que é possível ultrapassar a situação, alegando que há uma nova equipa dirigente, um corpo docente credível, colaboradores empenhados e boas instalações.

«Acreditamos e continuamos a trabalhar activamente na reposição da normalidade, da verdade e da transparência», conclui o documento.

In:TSF-Rádio
( 19:23 / 10 de Abril 07 )

 
At 11 de abril de 2007 às 15:23, Anonymous xico said...

Claro que esse menbro da fundaçao da concertina e da treta, tambem se licenciou numa Uni da treta se calhar ate foi na Independente.
Esse senhor Jose rafael dr?? no maximo licenciado.
Agora ele tb foi um dos impulsionadores da tal fundaçao da treta, o que eu acho estranho e que uma pessoa licenciado em Historia devia perceber de Arte e nao s edeixar enganar por garrafas d evinho com serigrafias no rotulo
e serigrafias.
Claro se fosse licenciado numa UNi a serio como a classica d e Lisboa(mas ai precisava de notas) saberia o que era uma pintura e o que era uma galeria de arte.
De facto quem pede o tal DR no cheque sao aqueles que nada valem e que querem que lhes chamem DRs sem nunca o serem
E o pais de miseria que temos entregue a tal gente

 
At 22 de novembro de 2007 às 11:47, Anonymous Anónimo said...

A inveja é o teu mal

 

Enviar um comentário

<< Home