segunda-feira, 16 de junho de 2008

CENTO E VINTE ANOS E UNS DIAS DE LUCIDEZ

Cruzou por mim, veio ter comigo, numa rua da Baixa
Aquele homem mal vestido, pedinte por profissão que se lhe vê na cara,
Que simpatiza comigo e eu simpatizo com ele;
E reciprocamente, num gesto largo, transbordante, dei-lhe tudo quanto tinha
(Exceto, naturalmente, o que estava na algibeira onde trago mais dinheiro:
Não sou parvo nem romancista russo, aplicado,
E romantismo, sim, mas devagar...).

Sinto uma simpatia por essa gente toda,
Sobretudo quando não merece simpatia.
Sim, eu sou também vadio e pedinte,
E sou-o também por minha culpa.
Ser vadio e pedinte não é ser vadio e pedinte:
E' estar ao lado da escala social,
E' não ser adaptável às normas da vida,
'As normas reais ou sentimentais da vida -
Não ser Juiz do Supremo, empregado certo, prostituta,
Não ser pobre a valer, operário explorado,
Não ser doente de uma doença incurável,
Não ser sedento da justiça, ou capitão de cavalaria,
Não ser, enfim, aquelas pessoas sociais dos novelistas
Que se fartam de letras porque tem razão para chorar lagrimas,
E se revoltam contra a vida social porque tem razão para isso supor.

Não: tudo menos ter razão!
Tudo menos importar-se com a humanidade!
Tudo menos ceder ao humanitarismo!
De que serve uma sensação se ha uma razão exterior a ela?

Sim, ser vadio e pedinte, como eu sou,
Não é ser vadio e pedinte, o que é corrente:
E' ser isolado na alma, e isso é que é ser vadio,
E' ter que pedir aos dias que passem, e nos deixem, e isso é que é ser pedinte.

Tudo o mais é estúpido como um Dostoiewski ou um Gorki.
Tudo o mais é ter fome ou não ter o que vestir.
E, mesmo que isso aconteça, isso acontece a tanta gente
Que nem vale a pena ter pena da gente a quem isso acontece.
Sou vadio e pedinte a valer, isto é, no sentido translato,
E estou-me rebolando numa grande caridade por mim.

Coitado do Álvaro de Campos!
Tão isolado na vida! Tão deprimido nas sensações!
Coitado dele, enfiado na poltrona da sua melancolia!
Coitado dele, que com lagrimas (autenticas) nos olhos,
Deu hoje, num gesto largo, liberal e moscovita,
Tudo quanto tinha, na algibeira em que tinha olhos tristes por profissão

Coitado do Álvaro de Campos, com quem ninguém se importa!
Coitado dele que tem tanta pena de si mesmo!

E, sim, coitado dele!
Mais coitado dele que de muitos que são vadios e vadiam,
Que são pedintes e pedem,
Porque a alma humana é um abismo.

Eu é que sei. Coitado dele!
Que bom poder-me revoltar num comício dentro de minha alma!

Mas até nem parvo sou!
Nem tenho a defesa de poder ter opiniões sociais.
Não tenho, mesmo, defesa nenhuma: sou lúcido.

Não me queiram converter a convicção: sou lúcido!

Já disse: sou lúcido.
Nada de estéticas com coração: sou lúcido.
Merda! Sou lúcido.



Álvaro de Campos

Etiquetas:

5 Comments:

At 17 de junho de 2008 às 22:18, Anonymous Anónimo said...

Com o caminho que isto leva ...
O Poeta tem carradas de razão.

 
At 17 de junho de 2008 às 22:23, Anonymous Anónimo said...

Pensamentos sobre uma fraude chamada Portugal


- Uma adolescente de 16 anos pode fazer livremente um aborto, mas não pode pôr um piercing.
- Um empregador, para despedir um trabalhador que o agrediu, precisa de uma sentença judicial que demora 5 anos a sair.
- Um jovem de 18 anos recebe €200 do Estado para não trabalhar. Um idoso recebe de reforma €236 depois de toda uma vida de trabalho.
- Um marido oferece um anel à sua mulher e tem de declarar a doação ao fisco. Se for um amante, já não precisa de declarar nada.
- O mesmo fisco penhora indevidamente o salário de um trabalhador e demora 3 anos a corrigir o erro.
- O Estado que queria gastar 6 mil milhões de euros no novo Aeroporto da Ota recusa-se a baixar os impostos porque não tem dinheiro.
- O governo diz que as portagens são necessárias devido ao princípio do utilizador pagador. E por cada litro de combustível o estado recebe mais de metade em impostos.
- Milhares não têm dinheiro para comer, mas o governo financia com vários milhões um português que anda a brincar à fórmula 1.
- O governo não nos diz mas Bruxelas enalteceu o esforço de Portugal na redução do défice: aumento dos impostos e redução dos salários.
- Alguém se lembra de algum condenado por corrupção? Algum grande julgamento com desfecho?
- Cada empresa tem de pagar à segurança social pelos seus funcionários. Cada funcionário tem de descontar IRS (cerca de 30%). A empresa tem de pagar IRC (cerca de 40%). Se os sócios quiserem parte do lucro voltam a pagar IRS.
- Nas zonas mais problemáticas das áreas urbanas existe 1 polícia para cada 2000 habitantes; o Governo diz que não precisa de mais polícias.
- Numa empreitada pública, os trabalhadores são todos imigrantes ilegais, que recebem abaixo do salário mínimo e o Estado não fiscaliza.
- Como ser político: Não perceber nada de nada e nunca ter feito nada e contratar empresas de consultoria que expliquem o que fazer e o que dizer e pagar isto tudo com o porta-moedas infinito do estado.
- Alguém conhece todas as regalias dos nossos governantes? Ajudas de custo? Acessores? Carro? Cartão de crédito?
- Numa empresa chega-se atrasado 10 minutos por causa de um atraso nos transportes e tem-se a manhã descontada, na assembleia da república não se põe lá os pés durante uma semana por causa das férias no Algarve e ninguém nota.
- Um professor é sovado por um aluno e o Governo diz que a culpa é das causas sociais e que o professor não sabe motivar.
- Numa entrevista à televisão, o Primeiro-Ministro define a Política como 'A Arte de aprender a viver com a decepção'.
- Um polícia bate num negro é uma atitude racista. Um bando de negros mata 3 polícias e a culpa é da sociedade.
- O café da esquina fechou porque não tinha WC para homens, mulheres e empregados. No Fórum Montijo a WC da Pizza Hut fica a 100 mts, nem tem local para lavar mãos.
- O governo incentiva as pessoas a procurarem energias alternativas ao petróleo e depois multa quem coloca óleo vegetal nos carros porque não paga ISP (Imposto sobre produtos petrolíferos).
- O ministério do ambiente incentiva o uso de meios alternativos ao combustível. No edifício do ministério do ambiente não há estacionamento para bicicletas, nem se sabe de nenhum ministro que utiliza a bicicleta.
- Nas prisões é distribuído gratuitamente seringas por causa do HIV. Mas afinal como entra a droga nas prisões?
- No exame final de 12º ano és apanhado a copiar e chumbas o ano. O primeiro-ministro fez o exame de inglês técnico em casa e mandou a prova por fax e é engenheiro.
- Um jovem de 14 mata um adulto, não tem idade para ir a tribunal. Um jovem de 15 leva uma chapada do pai por ter roubado dinheiro para droga e o pai vai a julgamento por violência doméstica.
- Começas a descontar em Janeiro o IRS e só vais receber o excesso em Agosto do ano que vem. Não pagas às finanças a tempo e horas e passado um dia já estás a pagar juros.
- Se o teu filho não tem cabeça para a escola e com 14 anos o pões a trabalhar contigo num oficio respeitável, isso é exploração do trabalho infantil.
Se és artista e o teu filho com 7 anos participa em gravações de telenovelas 8 horas por dia ou mais, a criança tem muito talento, sai ao pai ou à mãe.
- Paguei 0.50€ por uma seringa na farmácia para dar um medicamento ao meu filho que estava doente. Se ele fosse drogado, não pagava nada.

A RTP, paga com os impostos dos tugas, está a promover um concurso em que «não é preciso saber... só é preciso fingir que se sabe»...

Está tudo dito.

 
At 17 de junho de 2008 às 22:24, Anonymous Anónimo said...

Queres gasóleo barato?
Compra um iate!
O "socialismo" à Sócras é amigo dos iates.
Este governo aprovou, em 8 de Fevereiro último, a Portaria 117-A (Artº 29 do Cap. II), que estende aos proprietários de iates o benefício de terem o gasóleo ao preço a que pagam os armadores e os pescadores.
Portanto, por força da lei, em Portugal os trabalhadores e as empresas pagam o gasóleo a 1,42€, enquanto os banqueiros, a alta-finança e os grandes empresários o pagam a 0,80€.
Isto, ao contrário do que pode parecer à primeira vista, é uma óptima notícia para os portugueses.
Se o leitor quer gasóleo barato tem agora bom remédio: é só comprar um iate.


CAPÍTULO II
Isenção do ISP para utilização na navegação comercial

28.º As isenções do ISP previstas nas alíneas c) e h) do n.º 1 do artigo 71.º do CIEC abrangem as utilizações em embarcações que, para efeitos da presente portaria, se designam por navegação comercial.


29.º Enquadram-se na disposição prevista no número anterior as embarcações efectivamente utilizadas nas seguintes actividades:

a) Navegação marítima costeira;
b) Navegação interior;
c) Pesca;
d) Navegação marítimo-turística;
e) Operações de dragagem em portos e vias navegáveis, com excepção dos equipamentos utilizados na extracção de areias para fins comerciais.

 
At 17 de junho de 2008 às 22:26, Anonymous L. said...

Clientes vão pagar (à edp) dívidas incobráveis.
segundo proposta da entidade reguladora dos serviços energéticos "os encargos com esses compromissos passem a ser partilhados com os consumidores de electricidade a partir do próximo ano, nas tarifas de electricidade."

temos, sem dúvida uma entidade reguladora (?) notável... parece mais uma jogada para cobrir as "perdas" provocadas pelo fim da cobrança do aluguer de contadores...
agora pode ser que alguém se lembre que os cidadãos terão de dar uma percentagem ao merceeiro para cobrir os calotes do livro de fiados, ou contribuir com uma esmola para os créditos (e são tantos milhões de euro) mal-parados que a banca tem em carteira ou ajudar as gasolineiras a não perder tanto guito com os clientes que abastecem e fogem sem pagar ou subsidiar a brisa para os condutores que conseguem percorrer as "auto-estradas" sem pagar ou...
a lista é infindável. o rectângulo só precisa de "entidades reguladoras" com muita imaginação e falta de seriedade... e de cidadãos que fiquem indiferentes às manigâncias desta corja...

 
At 17 de junho de 2008 às 22:27, Anonymous L. said...

aceitam-se apostas!
por quanto tempo é que o falso engenheiro sócrates, a corja que o apoia e financia sustenta e o próprio regime se vão aguentar no poder?
não vale fazer batota nem contar com a super-cola a gnr, guarda pretoriana do regime da "democracia" que é a mesma do tempo do botas:

A GNR vai passar de quatro para 20 comandos territoriais - um por cada distrito, incluindo Açores e Madeira e vai ter uma direcção de doutrina não se sabe bem o que poderá vir a ser. Sobretudo, quando se diz que uma da suas funções é produzir doutrina a mando do comandante-geral, que é de nomeação política.

e também não vale fazer batota com cálculos sobre o número de buzinões, manifestações e pressões ou outros protestos mais "duros"que estão em preparação...

 

Enviar um comentário

<< Home