quarta-feira, 8 de março de 2006

O PLANO TECNOLÓGICO


José Sócrates foi à Finlândia para tentar perceber como é que os finlandeses coseguiram tornar-se no país que são hoje, e ao que parece daqui por uns meses virão cá participar nalguns seminários, e não me admiraria nada que venha a haver mais uma daquelas cerimónias de assinaturas protocolares em que os ministros se põem em fila como se estivesse numa cantina da Santa Casa.

Esperemos que os nossos amigos finlandeses não sintam curiosidade em visitar as páginas dos ministérios da web, pois mesmo sem perceberem uma palavra em português não terão dificuldades em perceber que se trata de weblixo.
Entre o discurso da modernização do Estado e do Plano Tecnológico e a realidade existe uma grande distância.


É provável que comecem pela página do ministério da Economia e procurem pelo Plano Tecnológico [Link],e vão logo perceber que este plano não passa de discurso político, quem ali for em busca de informação fica-se por uns discursos e pouco mais.
Desiludidos com a página do ministério da Economia, poderão interessar-se, por exemplo, pela da secretaria de estado da Juventude[Link], um tema que lhes deverá ser caro.
Vão ficar a conhecer Laurentino, o secretário de estado, melhor dos que os seus familiares em primeiro grau, pois na página de abertura esta personagem tem nada mais, nada menos do que 66 fotografias, sessenta e seis para ser mais claro (!), da sua própria pessoa, algo digno da Roménia de Ceausescu, e ainda estamos no princípio da legislatura.


Enfim, a verdade é que ao discurso da modernização e da inovação não existe qualquer correspondência na gestão interna dos serviços.
O governo pode falar de planos, lançar passaportes seguros e criar cartões únicos, as nada está a fazer no plano da gestão do Estado, antes pelo contrário, lançou a inércia, a frustração e a dúvida, e já lá vão quase doze meses disto.

JUM

4 Comments:

At 8 de março de 2006 às 17:38, Anonymous Z.T. said...

Na véspera da tomada de posse de sua Majestade Excelentíssima D. Aníbal I, aqui fica a minha dedicatória à corte de que é soberano senhor.
Deve ler-se a toque de caixa tal como lia o grande João Villaret.

A PROCISSÃO

Tocam os sinos na torre da Ajuda
sobe hoje ao trono outro rei da nação
na nossa aldeia, que Deus nos acuda
vai passar a procissão

Abrindo a marcha lá vem o PSD
trazendo à frente o seu minorca-mór
por ser pequeno foi preciso já se vê
por o miúdo em cima de um andor

Logo a seguir a irmandade da rosa
primeiro os boys, depois a malta afamada
sempre mui lesta e mui afanosa
vai ensinando o caminho à criançada

Tocam os sinos na torre da Ajuda
sobe hoje ao trono outro rei da nação
na nossa aldeia, que Deus nos acuda
vai passando a procissão

Olha os vermelhos que vêm fazer o frete
que seja tudo por amor ao PCP
estão mais modernos, já não usam cassete
viva o progresso a hora é do DVD

Passam depois os betinhos do Caldas
com o Nuno Melo marchando a rigor
puto reguila que ainda usa fraldas
mas já se arvora em galo cantor

Olha o Bloco a fechar quem quer vê-los
fato e colete mas de roupa barata
comprada ontem na feira de Carcavelos
e o Fazenda já perdeu a gravata

Tocam os sinos na torre da Ajuda
sobe hoje ao trono outro rei da nação
na nossa aldeia, que Deus nos acuda
já passou a procissão

 
At 8 de março de 2006 às 17:44, Anonymous João Gonçalves said...

Sobre o "cartão único" que aí vem, o fundamental já está dito por Vasco Pulido Valente aqui. Não vale a pena bater no ceguinho, apesar de haver por aí muito "modernaço" que deve achar esta "inovação" uma maravilha e um "progresso". "Portugal está cheio de liberais, mas de uma espécie rara que não se preocupa muito com a liberdade. Não vi um único sinal de incómodo com o chamado "cartão do cidadão", que o dr. António Costa se prepara para "experimentar" (?) até ao fim do ano. Esse cartão vai ser ao mesmo tempo cartão de contribuinte, cartão de saúde, cartão da segurança social, cartão de eleitor e bilhete de identidade. (...) Com o novo cartão, basta carregar em meia dúzia de botões e uma pessoa fica instantaneamente nua para exame e gozo da autoridade. De qualquer autoridade, reparem bem, na prática irresponsável e sem nome, que a decida investigar."

 
At 8 de março de 2006 às 17:48, Anonymous Maria João A. said...

Sobre o Cartão Único e a Visita à Filândia de Sua Excelência o Sr.José Sócrates vale a pena reler este post públicado aquí no passado dia 13 de Fevereiro de 2006:

XEQUE-MATE TECNOLÓGICO À LIBERDADE


O cartão único


Ninguém tem uma bola de cristal para ver o futuro.
O Governo, aparentemente, quer criar um cartão transparente para ver o presente de todos os portugueses.
Isto é, quer tornar-se um Big Brother capaz de velar pelos pecados dos portugueses.
Tudo em louvor da tecnologia.
Tudo em nome da luta contra a fraude.
Tudo a favor da eficiência.
Cada português, segundo o Governo, poderá ser sintetizado num cartão.
Pessoal e intransmissível, presume-se.
Os portugueses vão transformar-se num cartão, em nome da tecnologia e da eficiência.
Isto não é um choque tecnológico.
É um xeque-mate tecnológico à liberdade.
A oposição, pelos vistos, está distraída a pensar em coisas mais importantes.
Os cidadãos vão ser bombardeados com a eficiência deste novo sistema, estilo já viram, em vez de terem vários cartões, terão apenas um?
A perversidade desta medida é tremenda.
Um Governo socialista está a adoptar a sovietização do país.
Em nome da tecnologia.
Alguém pode vir a controlar tudo.
Um funcionário anónimo. E que alguém, acima dele, conduz como uma marioneta.
Seria bom que o Governo explicasse a bondade desta medida, num país onde se fazem escutas sem aparente controlo de quem quer que seja.
Para que, quando adquirirmos esse cartão, não estejamos a eleger o Big Brother.

Fernando Sobral

 
At 8 de março de 2006 às 17:50, Anonymous Anónimo said...

TOMADA DE POSSE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA
CERIMONIAL

1.Na Sala das Sessões o Presidente da Assembleia da República abre a Sessão às 09.00 horas, que suspende, em seguida, para receber o Presidente da República, o Presidente da República Eleito e os convidados.
2.Um batalhão representando os três ramos das Forças Armadas com estandarte, banda e fanfarra já se encontra, entretanto, postado no passeio fronteiro à Assembleia da República, a partir das 08.45 horas, para prestar a Guarda de Honra, mantendo-se nesse local até ao final da Cerimónia.
3.Os Presidentes do Tribunal Constitucional e do Supremo Tribunal de Justiça chegam à Assembleia da República às 09.05 e 09.10 horas, respectivamente, sendo aguardados na Escadaria Exterior pelo Protocolo que os conduz ao Salão Nobre.
4.A partir das 09.05 horas começam a chegar os chefes de Estado e presidentes de organizações internacionais convidados, que são recebidos pelo Protocolo, saudados pela Guarda de Honra e, em seguida, conduzidos à Tribuna B.
5.O Primeiro-Ministro chega ao Palácio de S. Bento às 09.30 horas e é aguardado na Escadaria Exterior pela Secretária-Geral da Assembleia da República e por elementos do Protocolo. Recebe o toque de continência da guarda de honra e é conduzido ao Salão Nobre pelo Protocolo.
6.O Presidente da Assembleia da República desloca-se à Escadaria Exterior do Palácio de S. Bento a fim de aguardar o Presidente da República Eleito, recebendo o toque de continência da Guarda de Honra.
7.Aguardam o Presidente da República Eleito, junto ao carro, a Secretária-Geral da Assembleia da República e o Chefe do Protocolo do Estado e, no primeiro degrau, o Presidente da Assembleia da República.
8.O Presidente da República Eleito chega ao Palácio de S. Bento às 09.35 horas.
9.O Presidente da República Eleito é saudado pela Guarda de Honra, à qual corresponde. Em seguida, acompanhado pelo Presidente da Assembleia da República, pela Secretária-Geral da Assembleia da República e pelo Chefe do Protocolo do Estado, sobe a Escadaria Exterior, ao cimo da qual é recebido pelos restantes membros da Mesa da Assembleia da República e pelos Presidentes dos Grupos Parlamentares.
10.Havendo recebido o Presidente da República Eleito os cumprimentos dos Vice-Presidentes da Assembleia da República, dos Presidentes dos Grupos Parlamentares, dos Secretários e dos Vice-Secretários da Mesa da Assembleia da República, organiza-se no mesmo local o cortejo seguinte:
·Auxiliares Parlamentares;
·Secretários do Protocolo do Estado;
·Chefe do Protocolo do Estado; e Secretária-Geral da Assembleia da República;
·Presidente da Assembleia da República e Presidente da República Eleito;
·Vice-Presidentes da Assembleia da República;
·Secretários da Mesa da Assembleia da República;
·Vice-Secretários da Mesa da Assembleia da República;
·Comitiva do Presidente da República Eleito;
·Auxiliares Parlamentares.
11.O cortejo sobe a Escadaria Nobre e, passando pelos Passos Perdidos, dirige-se ao Salão Nobre (porta da direita), onde já se encontram o Primeiro-Ministro, o Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, o Presidente do Tribunal Constitucional, os Presidentes dos Grupos Parlamentares e o Presidente e demais membros do Conselho de Administração da Assembleia da República.
12.O Presidente da Assembleia da República, os restantes membros da Mesa e os Presidentes dos Grupos Parlamentares, a Secretária-Geral da Assembleia da República e o Chefe do Protocolo do Estado regressam à Escadaria Exterior, aguardando o Presidente da República.
13.Aguardam o Presidente da República, junto ao estandarte do Batalhão que faz a guarda de honra, a Secretária-Geral da Assembleia da República e o Chefe do Protocolo do Estado e, no primeiro degrau da Escadaria Principal, o Presidente da Assembleia da República.
14.O Presidente da República chega ao Palácio de S. Bento às 09.45 horas.
15.Tendo recebido as honras militares, escutado o Hino Nacional e passado revista à Guarda de Honra, o Presidente da República, acompanhado pelo Presidente da Assembleia da República, sobe a Escadaria Exterior, ao cimo da qual é recebido pelos restantes membros da Mesa da Assembleia da República e pelos Presidentes dos Grupos Parlamentares.
16.Havendo recebido o Presidente da República os cumprimentos dos Vice-Presidentes da Assembleia da República, dos Presidentes dos Grupos Parlamentares, dos Secretários e dos Vice-Secretários da Mesa da Assembleia da República, organiza-se o cortejo seguinte:
·Auxiliares Parlamentares;
·Secretários do Protocolo do Estado;
·Chefe do Protocolo do Estado e Secretária-Geral da Assembleia da República;
·Presidente da Assembleia da República e Presidente da República;
·Vice-Presidentes da Assembleia da República;
·Secretários da Mesa da Assembleia da República;
·Vice-Secretários da Mesa da Assembleia da República;
·Comitiva do Presidente da República;
·Auxiliares Parlamentares
17.O cortejo sobe a Escadaria Nobre e, passando pelos Passos Perdidos, dirige-se ao Salão Nobre (porta da direita), onde já se encontram o Presidente da República Eleito, o Primeiro-Ministro, o Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, o Presidente do Tribunal Constitucional, os Presidentes dos Grupos Parlamentares e o Presidente e demais membros do Conselho de Administração da Assembleia da República.
18.De seguida, os Vice-Presidentes da Assembleia da República, os Presidentes dos Grupos Parlamentares, os Vice-Secretários da Mesa da Assembleia da República, o Presidente e membros do Conselho de Administração, e as Comitivas do Presidente da República e do Presidente da República Eleito vão imediatamente ocupar os seus lugares na Sala das Sessões.
19.Já terão, entretanto, ocupado os seus lugares no Hemiciclo todos os Deputados, com excepção dos Secretários da Mesa, os Ministros, o Procurador-Geral da República, os Presidentes do Supremo Tribunal Administrativo e do Tribunal de Contas, os Representantes da República para os Açores e para a Madeira, o Provedor de Justiça, o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, o Presidente do Partido do CDS-PP, os Presidentes das Assembleias e dos Governos Regionais dos Açores e da Madeira, o Presidente do Conselho Económico e Social, os Conselheiros de Estado, os Chefes dos Estados-Maiores dos três ramos das Forças Armadas, o Vice-Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, os Juízes Conselheiros do Tribunal Constitucional, o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, o Governador Civil de Lisboa, o Secretário-Geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros, o Director Nacional da Polícia de Segurança Pública e o Comandante-Geral da Guarda Nacional Republicana; na Tribuna A, a Senhora de Jorge Sampaio, a Senhora de Jaime Gama, a Senhora de Cavaco Silva, o Cardeal Patriarca de Lisboa, os anteriores Presidentes da República - General Ramalho Eanes e Doutor Mário Soares - e respectivas Senhoras, os anteriores Presidentes da Assembleia da República e respectivas Senhoras, os anteriores Primeiros-Ministros e respectivas Senhoras; na Tribuna b os Chefes das Delegações estrangeiras e as suas comitivas; na Galeria I, o Corpo Diplomático; na Galeria III os Eurodeputados, o Presidente da Comissão Nacional de Eleições, o Presidente da Comissão Nacional de Protecção de Dados, o Presidente da Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos, o Presidente do Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República Portuguesa, o Presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social, o Comandante Naval, o Governador Militar de Lisboa, o Comandante do Comando Operacional da Força Aérea, o Comandante do Comando Operacional das Forças Terrestres, os Secretários de Estado, o Candidato à Presidência da República, os antigos Secretários-Gerais da Assembleia da República, os directores do gabinete do parlamento Europeu e da Comissão europeia, os corpos directivos da Associação dos ex-Deputados da Assembleia da república e outras individualidades convidadas; na Tribuna D os Órgãos da Comunicação Social; na Galeria II os familiares e convidados especiais do Presidente da República; Alguns representantes dos Órgãos da Comunicação Social, e nas Galerias IV a VI, os demais convidados.
20.Às 10.00 horas, o Presidente da República sai do Salão Nobre para a Sala das Sessões, em cortejo assim constituído:
·Auxiliares Parlamentares;
·Secretários do Protocolo do Estado;
·Chefe do Protocolo do Estado e Secretária-Geral da Assembleia da República;
·Presidente da República Eleito, Presidente da Assembleia da República e Presidente da República;
·Presidente do Tribunal Constitucional, Primeiro-Ministro e Presidente do Supremo Tribunal de Justiça;
·Secretários da Mesa da Assembleia da República;
·Auxiliares Parlamentares.
21.O cortejo entra na Sala das Sessões, pela porta dos Passos Perdidos do lado do Corredor dos Espelhos, e passa em frente da Tribuna dos Oradores.
22.O Presidente da Assembleia da República dirige-se para o seu lugar na Tribuna da Presidência, onde fica ladeado, à direita, pelo Presidente da República e, à esquerda, pelo Presidente da República Eleito. Tomam, ainda, lugar na Tribuna, os Secretários da Mesa da Assembleia da República.
23.Já terão, entretanto, ocupado os seus lugares no Hemiciclo o Primeiro-Ministro, o Presidente do Supremo Tribunal de Justiça e o Presidente do Tribunal Constitucional.
24.A Secretária-Geral da Assembleia da República, o Chefe do Protocolo do Estado e os restantes elementos do cortejo tomam os seus lugares no Hemiciclo, junto da Tribuna dos Órgãos da Comunicação Social, com excepção dos Auxiliares Parlamentares, que assumem posições junto da Tribuna (dois em cima, ladeando a Presidência, e dois em baixo, nos espaços laterais da bancada do Governo).
25.O Presidente da Assembleia da República declara reaberta a Sessão e manda ler a acta de apuramento da eleição por um dos Secretários da Mesa da Assembleia da República.
26.O Presidente da Assembleia da República anuncia que o Presidente da República Eleito vai prestar a declaração de compromisso.
27.O Presidente da República Eleito levanta-se e, perante os restantes membros da Mesa e a assistência de pé, presta juramento sobre a Constituição da República Portuguesa.
28.Nesse momento, inicia-se uma salva de 21 tiros de artilharia e a Banda da Guarda Nacional Republicana, formada nos Passos Perdidos, executa o Hino Nacional.

(A assistência escuta de pé o Hino Nacional.)

29.O Presidente da República e o Presidente da Assembleia da República assinam o auto de posse e o Presidente da República cessante subscreve a declaração de compromisso.
30.Um dos Secretários da Mesa da Assembleia da República procede à leitura do auto de posse.
31.Seguidamente, o Presidente da República ocupa o lugar à direita do Presidente da Assembleia da República e o Presidente da República cessante toma o lugar à esquerda.
32.Simultaneamente, na Tribuna A, a Senhora de Jaime Gama dá a direita à Senhora de Cavaco Silva, enquanto a Senhora de Jorge Sampaio ocupa o lugar à esquerda.
33.O Presidente da Assembleia da República usa em seguida da palavra para apresentar ao Presidente da República as saudações e cumprimentos da Assembleia da República.
34.O Presidente da Assembleia da República anuncia que o Presidente da República vai usar da palavra, nos termos constitucionais.
35.O Presidente da República dirige uma mensagem à Assembleia da República.
36.O Presidente da Assembleia da República encerra a Sessão.

(Neste momento é de novo executado o Hino Nacional.
A assistência escuta de pé o Hino Nacional.)

37.O Presidente da República sai da Sala das Sessões para o Salão Nobre, em cortejo assim constituído:
·Auxiliares Parlamentares;
·Secretários do Protocolo do Estado;
·Chefe do Protocolo do Estado e Secretária-Geral da Assembleia da República;
·Presidente da República cessante, Presidente da Assembleia da República e Presidente da República;
·Presidente do Tribunal Constitucional, Primeiro-Ministro e Presidente do Supremo Tribunal de Justiça:
·Secretários da Mesa da Assembleia da República;
·Auxiliares Parlamentares.
38.Nos Passos Perdidos o cortejo detém-se para se despedir do Presidente da Republica cessante, o qual é acompanhado até ao carro pelos Vice-Presidentes dos dois maiores Partidos, pela Adjunta da Secretária-Geral e pelo Vice-Chefe do Protocolo do Estado e pela sua comitiva.
39.No Salão Nobre, o Presidente da República acompanhado exclusivamente pelo Presidente da Assembleia da República recebe cumprimentos, posicionando-se os restantes elementos do cortejo um passo atrás das entidades referidas.

A ordem de precedência dos convidados que apresentam cumprimentos é a seguinte:
· Primeiro-Ministro, Presidente do Supremo Tribunal de Justiça e Presidente do Tribunal Constitucional, que, em seguida, se retiram sendo acompanhados à Escadaria Principal pelo Protocolo;
·Chefes de Estado, Primeiros-Ministros e equiparados estrangeiros convidados;
·Cardeal Patriarca de Lisboa
·Vice-Presidentes da Assembleia da República e Presidentes dos Grupos Parlamentares;
·Deputados;
·Titulares dos restantes Órgãos de Soberania;
·Embaixadores;
·Altas Individualidades estrangeiras convidadas;
·Altas Autoridades portuguesas;
·Outros convidados.

40.Seguidamente, ainda no Salão Nobre, reconstitui-se o cortejo previsto no ponto 16 deste cerimonial.
41.O cortejo dirige-se, pelos Passos Perdidos, à Escadaria Nobre e ao Átrio, onde o Presidente da República se despede dos Vice-Presidentes da Assembleia da República, dos Secretários e dos Vice-Secretários da Mesa da Assembleia da República, sendo acompanhado até ao fim da Escadaria Exterior do Palácio pelo Presidente da Assembleia da República, pela Secretária-Geral da Assembleia da República e pelo Chefe do Protocolo do Estado.
42.A guarda de honra, postada no passeio fronteiro, presta ao Presidente da República as honras militares iguais ao ponto 15.
43.O Presidente da República, após ter recebido as honras militares, despede-se do presidente da assembleia da república e é acompanhado até ao carro pela Secretária-Geral da Assembleia da República e pelo Chefe do Protocolo do Estado.
44.O Presidente da Assembleia da República, acompanhado da sua Comitiva, regressa às instalações do seu Gabinete.

Fonte: Assembleia da República

 

Enviar um comentário

<< Home