segunda-feira, 10 de abril de 2006

OS PADRINHOS LOCAIS...

Porque o ministro da Justiça arranjou sarilhos com a Judite fala-se hoje em corrupção em Portugal.
Zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades...
Não mudámos uma vírgula, Portugal é the same old sheet...
Os maus exemplos vêm sempre de cima e de dentro do convento.
Ministros, autarcas que arranjam cunhas para familiares, amigos, próximos, enteados...
Tudo se vê naquele que dantes dizia das polícias - este não é o meu ministério.
Não, não me refiro aquele que no tempo de Cavaco telefonou ao pai a dizer que já era ministro, reportamo-nos ao Costa, o elemento político mais ambíguo, hesitante, coxo, indeciso e incompetente que há notícia naquela pasta desde o 25 de Abril.
A incompetência política, porque permite muita coisa indevida, também é uma modalidade de corrupção.
Mas não é disso que irei falar aqui.
Nem da corrupção das autarquias, da futebolítica, do pato bravismo encostado às empreitadas e adjudicações de estradas, pontes e outras marmeladas.
Isso não existe em Portugal.


Aqui não há corrupção, só existem pequenos problemas na interpretação da lei. E quando alguém é apanhado, quando alguém chefe da pequena máfia é referenciado pelas autoridades, quando algum Taveira Pinto é agarrado - é porque se trata de um Robin dos Bosques à portuguesa, que foi interceptado a praticar o bem à margem dos serviços sociais do Estado que, por o welfarestate se encontrar em crise, chega onde mais ninguém chega; aos lares dos portugueses, os protegidos, leais e submissos.


São estes os promovidos... Yes man...
Daí que em Portugal não existam corruptos, o que existe são homens de honra.
Podem ser medíocres médicos, funcionários públicos, advogados, frustrados, que telefonam ao papá a contar a boa nova da promoção ao cadeirão ministerial, mas não são corruptos.
Em Portugal os políticos entram como saem: nunca vimos um simples ministro ou autarca entrar para o governo ou câmara municipal enquanto tal e sair banqueiro, ou vimos???
Entre os nossos ladrões o código de honra é respeitado, ninguém bufa
.
Todos de bico calado.
Um pouco como na maçonaria, a cuja agremiação as pessoas hoje aderem para arranjar empregos, posição, influência, status e exercer vendettas e acertar contas com pessoas e tribos desavindas.
Os que se dão ao luxo de praticar o misticismo são os que já têm isso tudo, por isso podem pensar, reflectir, meditar. São estes que vão para a Quinta da Regaleira à procura de marsápios às 3 da madrugada.
Eu dantes fazia isso, só que era mais a apanhar pardalada, com um fox e uma flober.
Era cá um petisco...
Sempre gostei de passarinhos...
Mas hoje os eco-foda-mentalistas estragaram tudo..
Mas em Portugal estas práticas são pouco expressivas: há pouca extorsão, pouca manipulação, há poucos sindicatos do suborno, a corrupção das polícias também não é das piores da Europa - em Itália é bem pior...
Sem falar já dos assassinos, pois em Portugal não há notícia dessas práticas.
Em Portugal, como verificamos no caso casa Pia - que envolve uma rede de pedofilia - o único culpado é o Bi-bi, os outros - diplomatas, homens da comunicação e conexos - são apenas mandaretas nas mãos da justiça, peças soltas apanhadas no turbilhão à hora errada.
Muitos deviam estar a fazer um programa de tv para crianças e foram apanhados pela PJ por mero engano.


Portugal pode ter umas miniaturas -t. pintos, j. caritas, n. pinto, i. pinto - mas nenhum tem a expressão dum Al Capone, dum Sammy Gravano, dum Sam Giancana, dum Frank Costello, dum Vito Genovese, dum Carlo Gambino e outros que vimos nos filmes e fazem inveja aos médicos e advogados de Coimbra e arredores.
Confesso que gostaria de ver estes homens que fizeram o séc. XX discutindo hoje os problemas da bola, das autarquias, do financiamento partidário, da construção civil - nesses programas organizados pela RTP - ao lado de convidados ilustres dos partidos do poder em Portugal.
Ainda assim, creio que Portugal é um país de brandos costumes, isto apesar do Padrinho - magnificamente interpretado por Marlo Brando - já integrar a cultura popular do Ocidente e se ter enraizado na nossa psique colectiva.
Hoje, por exemplo, quando recordamos ex-ministros do cavaquismo ou do guterrismo, não se associam a essas pessoas práticas menos correctas no exercício do poder, nem se pode catalogar essa gente como gangsters.
Por um lado, não estamos na América, por outro Portugal resolve os seus problemas nos gabinetes, nos restaurantes, nos corredores do poder (formal e informal), nunca anda aos tiros, nem mata pessoas ao estilo calabrês ou seguindo o padrão etarra, apesar daqui o objectivo não ser a extorsão mas a independência relativamente ao centralismo de Madrid.
Num primeiro relance aos esquemas nacionais que hoje ensombram a opinião pública e de que amanhã já ninguém se lembra, como nos funerais, diria que a corrupção em Portugal ainda está bastante recalcada, ainda predomina uma subcultura oculta do respeitinho que é muito bonito, ao lema do Alexandre O'Neil, mas que também é praticado por políticias, políticos e empresários.
Temo bem que quem se debruçar sobre este assunto, na Visão, no 24H ou num blog mais ou menos especializado, não encontrará algo mais do que um padrão de corrupção tolerável, um conceito de família útil para as negociatas que o Estado faz entre os amigos e os empreiteiros, os amigos aliados (eleitorais), os parentes de sangue e tutti quanti que pedem ou fornecem favores vários ao poder.
Em Portugal, o empreiteiro que se prese dá dinheiro aos dois partidos do poder.
Mas fá-lo com critério como há anos me dizia um filho de um desses empreiteiros.
O artista dizia o seguinte: o meu papá, à boca das eleições consulta meia dúzia de sondagens, e em função de quem estiver melhor posicionado para ganhar as eleições assim ele contribui para a causa.
Por hipótese - num bolo disponível de 80 mil cts - ele daria 65% desse montante ao cavalo mais próximo da meta; e o restante ao joker imediatamente anterior no ranking das sondagens à boca das urnas.
Hoje a marosca é a mesma.
Mas, como digo, Portugal é um país de brandos costumes: nos métodos, nos meios de acção, na cultura de violência subjacente a todo este mundo e submundo do crime mais ou menos organizado.
Cá ninguém mata ninguém à paulada; ninguém mata ou manda matar ninguém na bagajeira de um carro, ninguém enterra vivo ninguém; porque o outro simplesmente se recusou a financiar um investimento para uma ponte ou para um estádio de futebol, ou até porque simplesmente se recusou a ir ao beija mão, a mostrar obediência, fidelidade e servilismo - que é coisas que os nossos catedráticos fazem nas universidades.
Embora se saiba que quando se entra nos negócios ilícitos é para sempre, nós por cá, ainda não sabemos se foi o ministro da Justiça que demitiu o director da PJ ou se foi este que se demitiu a si próprio num exercício de Lucky Lucky - onde a sombra por vezes é mais rápida do que....
Isto traduz bem o estádio e o nível de sofisticação primitivo que atingimos no plano da criminalidade organizada.
Em Portugal, as autoridades procuram corruptos, bandidos e outros out-of-law e os jornais só se lembram de ex-políticos - actuais banqueiros, de autarcas, dos donos da bola, de comentadores desportivos, de alguns empresários e de muita perseguição sem fim à vista.
Não será tudo isto uma ilusão?
Não estaremos no intervalo do Godfather?
Querem uma prova que corrobore tudo isto?
Eu digo: exclua-se do mercado da opinião o casal mais justiceiro e especializado que fala disto com propiredade no burgo - leia-se MiZé Morgado e o grande fiscalista S. Sanches... E mais ninguém, salvo o Sampaio - naqueles discursos obscuros de chorar a rir que nunca ninguém ligou, liga ao assunto.
Veja-se o caso casa Pia...
Imagine-se que a Felícia Cabrita trabalhava nos CTT ou era adjunta do Taveira Pinto... ou doutro qualquer.
Teria a PJ, o MP descoberto ou desencadeado algo?
Temo bem que não.
Portanto, quem sabe disto são os jornalistas, e estes valem o que valem


Pedro Manuel

9 Comments:

At 10 de abril de 2006 às 12:31, Anonymous xico da frialva said...

Ola
Pedro
Pela discrição que fazes imagino que deves estar ou num arepublica das Bananas algures, ou entao naquela Republica chamada Portugal que no degelo ficou agarrada a Europa.
Ma alegra-te que estamos em primeiro lugar na Europa na corrupção e nos mais desgraçados.
Ate a Republica Checa ja nos ultrapassou.
Ma isto so acontece por culpa de D,teresa, quando gravida do Afonsinho devia ter abortado ehoje estariamos bem melhores

 
At 10 de abril de 2006 às 15:00, Anonymous Joselito said...

Corrupçao existe sim, mas em Galveias. A PJ e o IGAT deveriam de visitar as instalaçoes da Junta de Freguesia. Alguem imagina quantas herdades e apartamentos este senhor comprou desde que é presidente da Junta?
Mas sera que é possivel este senhor Antonio Augusto empregar apenas familiares seus e dos memboros do executivo na JFG?
Existe muitas duvidas no ar....

 
At 10 de abril de 2006 às 15:07, Anonymous Z. N. said...

Lá vem a Nau Catrineta
que tem muito que contar
esta nau, diz o poeta
El-Rei a mandou armar
e de Rosa a fez zarpar
para uma nova demanda
é D. João José quem comanda
a barquinha em alto-mar
dessa odisseia sem par
de loucos navegadores
ouvi agora senhores
outra estória de pasmar

"PARA A BARRAGEM DE MONTARGIL JÁ E EM FORÇA!"

No Ano Santo da Graça
de dois mil e meia-dúzia
outra estória macambúzia
agitou a populaça
ao Capitão da barcaça
deu-lhe outra vez a pancada
na cachola iluminada
p'ra mal da nossa desgraça
e por mais que alguém lhe faça
seja a bem ou seja a murro
fazer ver que está a ser burro
é certo q'uinda se passa

Sabem o que naquele dia
se lembrou o iluminado?
valha-nos Santa Maria
que ficou tudo banzado:
"Chamem o Almirantado
e a flôr empresarial
deste nosso Portugal
p'rá reunião de Estado
o encontro está marcado
para daqui a uma hora
sem atrasos, sem demora
quero isto despachado!"

Lá foi o pobre estafeta
a correr qual desalmado
os cantos à Catrineta
muito aflito, coitado
o tempo era sesgado
tendo uma hora somente
para encontrar toda agente
tal como fôra ordenado
no fim estava tão cansado
que rolando sobre si
caiu todo junto ali
um membro p'ra cada lado

Sabendo o que aconteceu
ao estafeta desgraçado
sabem o que remoeu
este Capitão safado?
"Pôrra que estou bem lixado
com a merda do Carita
quer é copos e putedo
e depois fica cansado
vá bugiar p'r'outro lado
despeçam o gabirú
contrata o Obikwelu
está o assunto arrumado!"

No convés se reuniram
-eram bué, aos montões-
por isso todos ouviram
as palavras dos chefões
"Podemos ganhar milhões
e já lá estão os estrangeiros
e gente de outras nações
mas temos duas razões
para ganhar a qualquer um
uma a história comum
outra a língua de Camões

De entre todos vou levar
alguns do almirantado
p'rá coisa protocolar
já que é visita de estado
o meu calção esverdeado
as botas de pesca
e uma camisa curtida
que tenha à frente estampado
a preto e a amarelo
Montargil - Barragem
porque é para lá afinal
que o rumo vai ser traçado

Empresários e banqueiros
às malas suas molezas!...
...levamos dois cozinheiros
porque eu tenho umas surpresas
receitas das realezas
que eram da minha mãe
bolo mel e pão de ló
bolo de azeite e pêssegos
suculentas sobremesas
e levamos chá do Cartaxo
que eu não suporto o de Portalegre
nem rezando a Santa Teresa...

D. Jordão, verdade ou não?!
...mas que raio!...estais espantado?!"
"Ó meu querido Capitão
estais-me a deixar assustado
e também bué enervado...!"
"Mas porquê homem de Deus?!"
"Mas vós não vêdes?!... Ó céus
estaria tudo estragado!...
era um incidente de estado
se recusasse, Capitão
a papa do anfitrião
qual puto mal educado!"

"Ai Ceia... vou mesmo ter que engolir?"
"Olhe, ponha-se à defesa!...
o primeiro prato a sair
é achigã, de certeza!
Vingue-se na sobremesa
você não gosta de sericá?"
"Detesto! Nem um pouco!"
"Vão pôr isso sobre a mesa
reze pois à Santa Teresa
terá que se aguentar
também vai ter que o mamar
que vai ser uma beleza!"

A ralé ouvia tudo
com ar estupidificado
quando houve um abelhudo
um tal Zé da Ponte chamado
que arriscando ser linchado
perguntou ao Capitão:
"Meu senhor, peço perdão
confesso-me baralhado
disse o senhor há bocado
se não me falha a memória
que ia Montargil fazer história
numa visita de estado?"

"É como dizes marujo
mas porquê? estás admirado?
posso saber meu sabujo
porque estás tu tão espantado?"
"Estou confuso, atarantado
tenho mui pouca instrução
e não entendo a razão..."
"Fala lá meu desgraçado!"
"...Se tal me é ordenado...
...Senhor, não leveis a mal:
O que lucra Portugal?!...
devo estar mui baralhado

"Alguns desses empresários
senhores mui bem conhecidos
fazendo de nós otários
andam ao fisco fugidos
só se formos ressarcidos
com o que lá vão roubar
pois não vão para ajudar
nisso estamos entendidos
os meus pêsames sentidos
ó pobre povo montargilense
chupam-vos osso e tutano
tal a corja de bandidos

Se me mandar embarcar
para remar o escaler
já estou a magicar
como é que vou proceder
sabe o que é que eu vou fazer?
irei fazer tal e qual
como o Marquês de Pombal
já me está a perceber?
quando ao largo já estiver
afogo-os quais jesuítas
cambada de parasitas
acreditem, podem crer!"

 
At 10 de abril de 2006 às 19:40, Anonymous Anónimo said...

este pedro manuel tem com cada opinião...ele até pode ter em partes razão, mas tem aversão a discutir realidades, preferindo deambular entre o enjoativo discurso populista e o afrontar das classes dirigentes recorrendo a uma retórica fantasista, embalado pela sua ignóbil atitude pseudo crítica.

Caro amigo: faça uma pausa com kit kat. Relaxe. Vai ver que não custa nada.

Ou então pense.

 
At 11 de abril de 2006 às 01:35, Anonymous Anónimo said...

Sem comentários...



Antes de ler o q se segue, veja a imagem em anexo.

Filhadacosta.JPG



A SUSANA ISABEL COSTA DUTRA É FILHA DE QUÊM????



SABEM EM QUE CONSISTE A "MANUTENÇÃO" DO SITE DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA?



NÃO? OK! EU ESCLAREÇO: TRATA-SE DE ACTUALIZAR CONTEÚDOS, UM TRABALHO



QUE PROVAVELMENTE MUITOS DOS V/FILHOS FAZEM LÁ NA ESCOLA OU EM CASA



"COM UMA PERNA ÀS COSTAS".







POR FALAR EM "COSTAS" ACHAM QUE O MINISTRO COSTA RECORREU AO OTL E



PEDIU UM PUTO QUALQUER PARA TRATAR DO ASSUNTO? NÃO! TRATA-SE DE UMA



TAREFA ALTAMENTE TÉCNICA QUE JUSTIFICA UMA REMUNERAÇÃO DE 3.254,00 EUROS



MAIS O SUBSÍDIO DE ALMOÇO, CLARO.







E SABEM QUEM TEM O PERFIL ADEQUADO A ESSA FUNÇÃO? NÃO? OK! EU ESCLAREÇO.



TRATA-SE DE SUSANA ISABEL COSTA DUTRA.







VOLTANDO AO TEMA DO ASSUNTO E RESPONDENDO, SUSANA ISABEL COSTA



DUTRA, É FILHA DO MINISTRO ALBERTO COSTA.







QUANDO FOREM AO SUPERMERCADO E PAGAREM O IVA A 21% NÃO SE ESQUEÇAM QUE



A SUSANA ISABEL COSTA E FAMÍLIA (LEIA-SE O MINISTRO COSTA) AGRADECEM.







SE PUDEREM ESPALHEM POIS PODE HAVER ALGUÉM QUE NÃO TEM ACESSO AO



DIÁRIO DA REPÚBLICA, FICANDO ASSIM PREJUDICADO DE SABEREM QUE " LÁ



VAMOS, CANTANDO E RINDO, LEVADOS LEVADOS SIM,.........."

 
At 11 de abril de 2006 às 01:36, Anonymous Anónimo said...

Antes de ler o q se segue, veja a imagem em anexo.

Filhadacosta.JPG



A SUSANA ISABEL COSTA DUTRA É FILHA DE QUÊM????







SABEM EM QUE CONSISTE A "MANUTENÇÃO" DO SITE DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA?



NÃO? OK! EU ESCLAREÇO: TRATA-SE DE ACTUALIZAR CONTEÚDOS, UM TRABALHO



QUE PROVAVELMENTE MUITOS DOS V/FILHOS FAZEM LÁ NA ESCOLA OU EM CASA



"COM UMA PERNA ÀS COSTAS".







POR FALAR EM "COSTAS" ACHAM QUE O MINISTRO COSTA RECORREU AO OTL E



PEDIU UM PUTO QUALQUER PARA TRATAR DO ASSUNTO? NÃO! TRATA-SE DE UMA



TAREFA ALTAMENTE TÉCNICA QUE JUSTIFICA UMA REMUNERAÇÃO DE 3.254,00 EUROS



MAIS O SUBSÍDIO DE ALMOÇO, CLARO.







E SABEM QUEM TEM O PERFIL ADEQUADO A ESSA FUNÇÃO? NÃO? OK! EU ESCLAREÇO.



TRATA-SE DE SUSANA ISABEL COSTA DUTRA.







VOLTANDO AO TEMA DO ASSUNTO E RESPONDENDO, SUSANA ISABEL COSTA



DUTRA, É FILHA DO MINISTRO ALBERTO COSTA.







QUANDO FOREM AO SUPERMERCADO E PAGAREM O IVA A 21% NÃO SE ESQUEÇAM QUE



A SUSANA ISABEL COSTA E FAMÍLIA (LEIA-SE O MINISTRO COSTA) AGRADECEM.







SE PUDEREM ESPALHEM POIS PODE HAVER ALGUÉM QUE NÃO TEM ACESSO AO



DIÁRIO DA REPÚBLICA, FICANDO ASSIM PREJUDICADO DE SABEREM QUE " LÁ



VAMOS, CANTANDO E RINDO, LEVADOS LEVADOS SIM,.........."

 
At 11 de abril de 2006 às 01:43, Anonymous Anónimo said...

Já agora DESPACHO N.º 22 237/2005 (2ª Série) do GABINETE DO MINISTRO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Datado de 13 de Outubro de 2005.

Se o Ministro nomeia a filha para assessoria de manutenção da página da net do Ministério por 3254€ mês mais subsidio de refeição, Sub. Férias e de Natal, porque se admiram com a prática por terras da ponte???

 
At 11 de abril de 2006 às 15:32, Anonymous JUM said...

Não tencionava dedicar-me ao tema, mas ao ouvir João César das Neves falar sobre a defesa da vida humana a propósito da questão do aborto, num debate na RTP, optei por dizer algumas coisas a propósito desta ideia peregrina da Igreja Católica que nos últimos anos tenta associar a Igreja à defesa da vida humana.

Tenho o maior respeito pela Igreja e pelos seus praticantes e crentes, nos quais não me incluo apesar de uma educação católica, e até aceito que muitos dos meus valores civilizacionais sejam uma herança do cristianismo (que não necessariamente da Igreja Católica Apostólica Romana). Mas há uma coisa que não aceito, que a Igreja católica chame a si o papel de defensora da vida humana, invocando os valores do cristianismo, como se entre o nascimento de Jesus e o século XX não tivesse havido história.

Só que houve história, e em muitos momentos dessa história a Igreja Católica não respeitou a vida humana, e são tantos os crimes por ela cometidos que não posso aceitar que a Igreja se possa arvorar como depositária da defesa do direito à vida.

E não vou recuar muito e questionar quantas vítimas fez o Santo Ofício, quantas chacinas a Igreja abençoou na expansão colonial, quantos homicídios patrocinou. Não, não é necessário recuar tanto, ainda alguém se poderia lembrar de problematizar todos esses crimes questionando o seu contexto. Ainda por estes dias da Semana Santa se evoca uma chacina em que mais de quatro mil pessoas foram chacinadas em Lisboa (a este propósito visite-se a Rua da Judiaria que te vindo a lembrar este acontecimento Link).

Vou mais perto no tempo, vou à guerra civil de Espanha que aconteceu aqui ao lado há "meia dúzia" de anos, ou lembrar os que foram fuzilados pela falange depois dos padres terem apontado o dedo. E o que dizer da defesa da família, mais um património que a Igreja diz ser seu? Na mesma guerra foram muitas as centenas de filhos de republicanos que foram tirados as famílias com a colaboração activa da Igreja (que chegou mesmo a eliminar os assentos dos baptismo? Muitos desses filhos de republicanos ainda hoje procuram a sua própria identificação.

A Igreja e o João César das Neves podem defender a vida segundo os seus conceitos, mas a Igreja está muito longe de se transformar em guardiã desse património que, acima de tudo, é um património civilizacional pelo qual muitos deram a vida, inclusive a lutar contra a própria Igreja.

 
At 11 de abril de 2006 às 23:51, Anonymous Anónimo said...

Mas o seu problema é a igreja arvorar-se? Deixe lá isso da paternidade da defesa da vida, e defenda-a independentemente da sua (não) confissão religiosa. Isso é o mais importante...

 

Enviar um comentário

<< Home