sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

A IMPUNIDADE SEM VERGONHA

Essa extraordinária figura de director-geral da Saúde foi às televisões defender a lei antitabaco imposta pelo Governo.
A fim de sublinhar a importância do magno acontecimento, assegurou que o destemido Executivo Sócrates cumpria a vocação de zelar pelo bem-estar e pelas boas condições físicas dos portugueses.
A saúde, como prioridade exemplar.
Estaria tudo certo e, até, emocionantemente respaldado em preocupação social, não fora o caso de, nesse mesmo instante, o querido Governo aproveitar para aumentar tudo.

Das portagens às taxas moderadoras, dos fármacos aos pensos, do pão aos legumes, das carnes às frutas, dos peixes a outros ainda mais rudimentares produtos alimentícios, os agravamentos são escandalosamente substanciais e muito superiores aos índices de inflação.
Até o dr. Cavaco comentou, com gravidade subtil, o desequilíbrio do viver português.
Como vai sendo normal, os preços das coisas aumentam no começo de cada ano, disse um conhecido pivô, muito contente pela clara revelação.

No Jornal de Negócios, economistas e especialistas do mercado têm escrito que as decisões poderiam ser orientadas para outros caminhos.
Significa que estas, as do Governo, são as mais fáceis.
As rupturas abruptamente praticadas no tecido social português causam danos irreversíveis. E não constituem solução acertada.
As preocupações do dr. Cavaco, por muito meritórias que sejam, pecam por tardias.
As responsabilidades também lhe cabem.
É com os seus governos que as referências teóricas de uma sociedade de bem-estar, pautada por preocupações de defesa dos mais desprotegidos, perderam o sentido.

A tarefa dos comentadores é promover a reabilitação da memória histórica, frequentemente embaçada e, até, manipulada por jornalistas estipendiados. Seria curioso, e extremamente instrutivo, apurar-se a trajectória de muitos ditos profissionais de Imprensa, logo após abandonarem os jornais, as rádios e as televisões onde haviam exercido actividade.
Igualmente, haveria conveniência em verificar-se que destino levaram todos os ex-governantes de todos os ex-Governos.

O embaraço causado pelos enigmas do BCP só o é porque quem regula, as instâncias determinantes, aqueles que têm por dever e obrigação clarificar e esclarecer, quedam-se num mutismo propício à criação de boatos, suspeitas, meias-verdades.
Mesmo nos meios da Banca ouve-se dizer: Por menos, já muita gente foi presa, em Espanha, em França e nos Estados Unidos.
Quando Miguel Cadilhe fala do abalo provocado, no mundo financeiro, pelas ambiguidades contidas na explicação do assunto, revela, no fundo, o pensamento da maioria da população: assistiremos, novamente, ao silêncio cúmplice da impunidade?

Quando o dr. Cavaco discreteia sobre os obscenos salários da esmagadora maioria dos “gestores” toca, mansamente embora, num problema crucial.
O Pacheco Pereira acode em socorro do escândalo: afirma que as injustiças não decorrem dos ordenados desses oblíquos técnicos de ideias gerais.
Diz ele, na Quadratura do Círculo, que não há relação de causa e efeito. Evidentemente que há.
Não se trata de maniqueísmo ou de ilusão de tábua rasa, sim de um processo específico inscrito na visão neoliberal da economia.
Mesmo que assim não fosse, relaciona-se com uma estrondosa imoralidade. A carecer da indignação de todos os homens de bem.

Na mesmo programa da SIC-Notícias, António Lobo Xavier, que sempre me pareceu uma imitação de António Lobo Xavier, debitou as banalidades do costume, defendendo, claro está!, as razões antigas que, no seu avisado entender, justificam as enormes desproporções salariais existentes entre gestores e os outros.
Um raciocínio vergonhoso!
Até Jorge Coelho não fugiu à onda. E declarou que não se importava nada de que alguns ganhassem muito; apoquentava-se, isso sim, com a circunstância de muitos ganharem pouco.
Ó Jorge!
Ó Coelho!
Ó Socialista!

A Quadratura do Círculo não é um lugar de debate, uma instância de reflexão. É uma amena e selectiva tertúlia, com modestas e módicas divergências entre amigalhaços que entre si se convidam para almoços e jantares lautos e festivos.
O registo geral é o lisonjeiro acordo, a vivacidade e o carácter peremptório da polémica está afastado.
Aquilo é um coro.
Um pequeno samba de uma nota só.
Então, não há outras opiniões, vozes dissentes, opiniões discordantes, expressões dissonantes?
Estão todos de acordo com os aparelhos ideológicos do sistema? Evidentemente que não: os juízos destoantes foram praticamente banidos dos media.

O esquematismo da sociedade portuguesa da resulta da inibição do confronto de ideias, só favorável aos possidentes, aos privilegiados e a todos aqueles para os quais as coisas estão muito bem – inclusive os fabulosos vencimentos e as consequentemente fabulosas reformas.
Aliás, é simples de comprovar: uma consulta à net fornece-nos as respostas mais indecorosas por exactas.

As discretas alusões feitas pelo dr. Cavaco às anomalias da democracia portuguesa poderiam estender-se às diferentes esferas da sociedade.
De qualquer modo, são profundamente antagónicas às declarações de júbilo e regozijo proferidas, descaradamente, por José Sócrates, no autoelogio de Natal.
Mas é preciso dizer que ninguém sai daqui imune.
Todos os governantes, todos sem excepção, são responsáveis pelo estado a que o País chegou.
Por inépcia, por incompetência, por convicção ou por falta dela, por desprezo, por má-fé, por traição.

Ninguém sai imune deste lamaçal.
Mas saem todos impunes.


B.B.

Etiquetas: , ,

5 Comments:

At 4 de janeiro de 2008 às 21:29, Anonymous Tiago Carneiro said...

Sr. Silva questiona salários de luxo

O Sr. Silva manifesta a sua “inquietação perante as desigualdades na distribuição do rendimento que as estatísticas revelam”. E vai mais longe, ao questionar, pela primeira vez no seu mandato, os salários de luxo de muitos gestores de empresas em Portugal. “Sem pôr em causa o princípio da valorização do mérito e a necessidade de captar os melhores talentos, interrogo-me sobre se os rendimentos auferidos por altos dirigentes de empresas não serão, muitas vezes, injustificados e desproporcionados, face aos salários médios dos seus trabalhadores”.
CONCORDO PLENAMENTE. Acho muito bem o que o Sr. Silva diz e acho que faz muito bem em dizer o que disse. Aplaudo o seu patriotismo. Saúdo a sua boa vontade em prescindir das reformas acomuladas que têm:
- 4.152,00,00 euros - Banco de Portugal + 2.328,00 euros - Universidade Nova de Lisboa + 2.876,00 euros - Por ter sido primeiro-ministro.

O Sr. Silva disse tb:
"Portugal exerceu no 2.º semestre a presidência do Conselho da União Europeia. Fê-lo com eficácia, rigor e dignidade. É de toda a justiça reconhecer o papel desempenhado pelo Governo." - Barriga de aluguer da Alemanha.
Pau mandado!!!

"O desemprego atingiu níveis preocupantes e são muitas as famílias que enfrentam sérias dificuldades para fazer face às despesas de todos os dias."
- Mas o Pinóquio diz que não!!!

"O funcionamento do sistema de Justiça ainda é um obstáculo ao progresso económico e social do País."
- NÃO!!!
Cuidado com o que dizes... ainda te englobam na Casa Pia... ou no Apito...

"Não podemos deixar de nos inquietar perante as desigualdades na distribuição do rendimento que as estatísticas revelam."
- É uma verdade.
Eu estou muito inquieto com a diferença entre o meu rendimento e o dos políticos que não fazem a ponta dum corno.

"O acesso aos cuidados de Saúde é uma inquietação de muitos portugueses [...] seria importante que os portugueses percebessem para onde vai o País em matéria de cuidados de Saúde."
- Vai a Espanha pois aqui está tudo a fechar!

"Se não nascem crianças é o nosso futuro que está em causa [...] o despovoamento e o envelhecimento das populações é um problema sério do Interior do País que os poderes públicos não podem ignorar."
- Sem maternidades no interior.
Sem Urgências no interior.
Sem escolas no interior.
Sem emprego no interior.
É PRECISO MAIS?

"Nos esforços que tenho feito para mobilizar os portugueses para os problemas da inclusão social obtive respostas que me encheram de alegria."
- Tem feito esse esforço???
Não vi.
Estava desatento.

"Há que encarar as críticas como um estímulo para fazer melhor."
- Pois é!
Por isso eu digo-lhe, Sr. Silva, vá-se foder!!!
Tenha vergonha na cara e pelo menos cale-se bem caladinho.

 
At 4 de janeiro de 2008 às 21:35, Anonymous José M. Martins said...

José Sócrates "O Destruidor"

Este Governo manter-se em funções só é possível num país de Polichinelo!
Com o Governo de José Sócrates e seus companheiros , o Povo Portugal tem sido enganado, tem sido remetido para a lixeira.
Hoje não é orgulhoso uma pessoa dizer-se Português!
José Sócrates terá o cognome de "O Destruidor" na dinastia da familia "socialista".

Fernando Dacosta, jornalista e escritor , escreveu no jornal "O Diabo" o seguinte:

"Nunca vi o meu País com tanto medo como hoje"; "Sócrates não possui dimensão intelectual nem de grande estadista." ; "Se o que está a acontecer fosse feito no tempo do Salazar, caía o Carmo e a Trindade"; "O primeiro-ministro andou a escavaquear tudo isto e trasnformou o lixo em esculturas."

Edição do jornal "O Diabo" de 03 de Janeiro de 2008.

José Sócrates ama-se a si próprio. Por certo - estou convencido - quando de manhã vai ao espelho pergunta-lhe quem é mais belo que ele.
E daí a dimensão psicológica de correr no estrangeiro!
Depois, está a desfazer em cacos o Serviço Nacional de Saúde, a economia e a qualidade de vida do portugueses.
À medida que os governos do Partido Socialista vão destruindo o Portugal que eu amo, José Sócrates vai retirando direitos aos portugueses.
Agora morreu uma senhora no Hospital de Aveiro. Mais de 3 horas de espera.
A negociata da OTA é escandalosa.
Só um burro não percebe que a OTA fica a mais de 40 Km de Lisboa e não tem sequer condições para ser Aeroporto.E que a fixação do ministyro "deserto" terá outras condicionantes. Talvez José Eduardo dos Santos!
José Sócrates à medida que vai mostrando o "físico" no estrangeiro, vai remetendo os portugueses para a miséria.
O Presidente da República é fraco. Cavaco Silva anda a reboque do Governo.Viu-se agora na mensagem de Ano Novo. Um Presidente metafísico, nubloso, nem sim nem não!
Cavaco Silva não tem coragem para dizer , alto e bom som, que esta "mierda", tem de terminar.
Já se esqueceu da Lei de Gresham!
Depois não seria bom saber como evoluem as "riquezas" dos políticos portugueses?
Não seria bom que se soubesse como José Sócrates teve disponibilidades para comprar uma fracção no Edifício Heron? O mesmo onde mora - creio eu - Herman José!?

O caso BCP é um escândalo .
Os portugueses têm de acordar e pedir para a investigação de determinados processos , quentes, tenham intervenção policias estrangeiras.
Como agora fez o Presidente do Paquistão.

A Justiça Portuguesa não funciona, ou funciona a reboque dos poderes políticos e económicos.

É um regalo ver o "comunista" Vital Moreira servir de almofada ao Governo? Porque será ? Adivinhem lá!
Os portugueses são escravos do Poder Político. São os novos escravos da Mina, ou seja escravos de Belém e São Bento.

Portugueses, acordem e destituam o Governo de José Sócrates ,ou Portugal afunda-se`nesta ditadura socrática!

A Bem da Nação.

 
At 5 de janeiro de 2008 às 20:51, Anonymous Anónimo said...

ASSALTO AO BCP
«De acordo com a versão oficial, o BCP atravessava um período de instabilidade accionista que colocava em risco todo o sistema bancário. Por coincidência, algumas irregularidades descobertas recentemente levaram o Banco de Portugal a intervir. O Banco de Portugal aconselhou os accionistas a não apoiarem 26 antigos administradores do BCP. Um desses administradores, Filipe Pinhal, foi obrigado a retirar a sua candidatura à administração. Os accionistas descobriram que Santos Ferreira era o homem providencial de que precisavam. Por coincidência, Santos Ferreira era também presidente do banco público concorrente do BCP. O Governo deu o seu apoio a esta solução em nome da estabilidade do sistema bancário.

Uma leitura mais atenta revela outra história. Grande parte da instabilidade accionista foi criada por Joe Berardo, um dos principais apoiantes de Santos Ferreira. Santos Ferreira é um socialista e quer levar para o BCP Armando Vara, outro reputado socialista e amigo do primeiro-ministro. O director do Banco de Portugal, Vítor Constâncio, também é membro do Partido Socialista. Vítor Constâncio vetou os 26 administradores do BCP sem conceder às vítimas qualquer possibilidade de defesa. Ao fazê-lo, impôs Santos Ferreira aos accionistas. As irregularidades atribuídas aos 26 administradores afinal eram antigas. Vítor Constâncio foi incompetente e só agora é que as descobriu. O súbito interesse do Banco de Portugal por problemas antigos sugere uma intervenção cirúrgica a favor de uma das facções em luta pelo BCP. O Banco de Portugal, em vez de se comportar como um regulador neutro, optou por ajudar uma das facções a controlar o BCP. A transferência de Santos Ferreira para o BCP teve a bênção do ministro das Finanças, membro do Partido Socialista, que enquanto presidente da CMVM foi incapaz de detectar as irregularidades que agora são atribuídas aos 26 antigos administradores.

As últimas notícias sugerem uma história ainda mais obscura. Alguns accionistas do BCP (entre os quais Joe Berardo) compraram acções com empréstimos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos. Estes accionistas são precisamente os mesmos que apoiam Santos Ferreira, que por sua vez foi o responsável máximo pela aprovação dos empréstimos. Pelos vistos, a instabilidade accionista do BCP andou a ser financiada por um banco público. No próximo dia 15, na assembleia geral do BCP, Santos Ferreira deverá ser eleito presidente do banco. Para essa eleição deverão contribuir votos que correspondem a acções que foram compradas com dinheiro emprestado pelo antigo banco de Santos Ferreira. Se a falta de vergonha for total, é mesmo possível que a Caixa Geral de Depósitos, que é accionista do BCP, vote, por ordens do Governo, no seu antigo presidente.»

João Miranda
D.N.

 
At 6 de janeiro de 2008 às 03:40, Blogger Bel said...

Bem vindos a Portugal dos desiludidos

 
At 6 de janeiro de 2008 às 16:03, Anonymous L.Carvalho said...

Isto não está a começar nada bem. Para início de ano podemos dizer que o pais mergulhou no pântano, como diria o engenheiro das correntes fracas. Vejamos:

A bronca da cigarrilha do Sr. ASAE, revelou afinal contornos muito mais graves ao saber-se que a jantarada de fim de ano custava 500 euros por cabeça, que foram oferecidos pelo Casino aos isentos Dupont e Dupont, ou sejam: inspector-geral e sub-inspector da ASAE.
O situacionismo das televisões ( excepção à SIC N) e dos jornais ( veja-se a estratégia aduladora do DN para o Oliveirnha ficar com o 5º canal generalista!) acabou por abafar a gaffe ética do homem mais temível do país, quando se fala em retretes de tascas, bolas de Berlim, cassetes piratas, cozinhas gordurosas e todos os antros onde o micróbio ataca.

Curioso: quando se mexe nas águas paradas do país vem logo a seguir merda.
Veja-se o BCP. A vingança já está a servir-se fria.
A investida do homem do Norte Miguel Cadilhe, o mesmo que usou em mil novecentos e troca o passo, os serviços da Guarda Fiscal para transportar uns tarecos para a sua casa nova nas Amoreiras, era ministro das Finanças de Cavaco, o que o levou quase à demissão, regressa agora e em força para reconquistar o BCP aos Mouros. Oxalá o consiga: vingava o Santos Ferreira ( que se desempregou da CGD!), vingava o bancário do povo, essa figura grande da democracia de nome Armando Vara, e punha competência e seriedade no banco onde tenho os meus tostões.
Ficou a saber-se que afinal a CGD emprestou money a Berardo para este comprar acções no BCP para reforçar assim a sua posição e poder permitir a invasão do PS pelos Santos Ferreira e Varas deste mundo e de outra sinistra figura das seguradoras que ninguém conseguiu fixar o nome.
As broncas na Saúde não páram.Morre gente por má assistência, a ordem dos médicos acusa, fecham urgências, milhares manifestam-se nas ruas, o ministro da doença vem à TV fazer figura de pinóquio e o clone de Sócrates, não o pateta de Gaia, mas o pateta de S. Bento Pereira da Silva, vem pinocar para a TV. Chegou mesmo a evocar o sucesso da mortalidade infantil como obra do PS quando tem sido ao longo dos últimos 15 anos de um grupo de trabalho ainda existente e criado por... Leonor Beleza, que tem produzido um excelente trabalho porque nunca esteve dependente dos políticos, porque se esqueceram do grupo!

A entrada na nova lei do tabaco é uma afronta à liberdade dos cidadãos. Não é uma lei para proteger os que não fumam. É uma lei contra os direitos dos fumadores, uma afronta à propriedade privada e ao direito de privacidade. É uma lei bajuladora às directivas mais obtusas dos eurocratas de Bruxelas.

Se juntarmos a tudo isto, os aumentos dos combustíveis ( os 100 dólares por barril não justificam tudo na alta do preço!), do pão, das portagens, dos transportes, tudo acima da taxa de inflação que os aumentos dos ordenados não cobrem....mais as bocas de Cavaco no discurso do Ano Novo, mais a mentira do referendo, mais, mais.... onde vai isto parar ?

Um péssimo começo de ano. Se não for este o ano horribilis do engenhocas, então o homem nasceu com o horribilis virado para a Lua.
Os portugueses foram anestesiados, estão drogados e não há maneira de acordarem.

PS. Resta-nos o final do discurso do PR onde nos aconselha prudência nas estradas. Parece que há pouco fui fotografado por ir à estonteante velocidade de 60 à hora no Smart, no túnel Santanete de Lisboa.
É por haver tipos como eu, inconscientes que há multas, acidentes e fotos feitas com flash !
Já o velho Almirante Tomás gostava de evocar a prudência na estrada em vão, o nosso PR caiu nessa figura de estilo política naive.
Cuidado Presidente: para a próxima ainda vai dizer que andamos a gastar gasolina nos radiadores dos carros !

 

Enviar um comentário

<< Home