quinta-feira, 30 de outubro de 2008

A VERDADEIRA HISTÓRIA DO MAGALHÃES





Antero

Etiquetas: , ,

1 Comments:

At 31 de outubro de 2008 às 20:13, Anonymous F.T. said...

Os chefes de Estado e de Governo presentes na Cimeira Ibero-Americana fizeram uma pausa na agenda e assistiram, sem dizer “¿por qué no te callas?”, a seis minutos de propaganda ao Classmate PC da JP Sá Couto, uma empresa que até tem a justiça portuguesa à perna mas que conseguiu infiltrar o seu chefe de vendas no evento, que distribuiu amostras por todos eles.

O “Magalhães”, a marca comercial escolhida para aportuguesar o produto, foi apresentado como latino-americano e, pela referência à personagem de Hergé, é de antever um aposta em mercados francófonos.

"Não há um computador mais ibero-americano do que este, desde logo porque se chama Magalhães – e não há nome mais ibero-americano do que Magalhães", disse o primeiro-ministro, acrescentando que todos os seus assessores usam diariamente o Magalhães para o seu trabalho. “É uma espécie de Tintim, para ser usado desde os sete aos 77 anos”. É uma espécie de tantan, esta espécie de Primeiro-ministro a quem não ensinaram que é saloio transformar o convite endereçado ao governante José Sócrates numa oportunidade de venda da banha da cobra para o Zé de Vilar de Maçada.

 

Enviar um comentário

<< Home