sexta-feira, 23 de maio de 2008

ESTA GENTE NÃO DIZ NADA DE NOVO

A dr.ª Manuela Ferreira Leite não voga em ondas amenas. No seu partido, as divisões, dissensões e embaraços, além da intriga, são assinaláveis. Em público, o extraordinário Santana Lopes diz que a senhora é deprimente.

A afirmação não só é dura: é rude e cruel, mais pelo que insinua do que pela qualificação psicológica. Santana ainda acrescenta umas picardias, acaso movido pelo ressentimento e na busca de uma espécie de acerto de contas. Não consta que José Pacheco Pereira, tão lesto em criticar os primeiros planos da candidata, na excelente entrevista que Judite de Sousa lhe fez, na RTP, tenha manifestado a sua assanhada insurgência contra a crítica de Santana.

Por outro lado, começam a surgir dúvidas acerca dos méritos da dr.ª nas suas passagens ministeriais. Ao que se infere, quando ministra da Educação foi deplorável; e, na pasta das Finanças, um malogro. Os factos estão aí; os números provam-no. E os mais apetrechados nas matérias afirmam-no e reafirmam-no.

Mas perdemos um tempo incalculável com as ninharias de um processo político centrado no já visto e ouvido. Nenhuma das candidaturas à chefia do PSD suscita a curiosidade activa da população.

Parece um jogo em que a participação se movimenta num círculo fechado, ou numa redoma através da qual se movem sombras turvas. Que desejam estes senhores, e a senhora, bem entendido, para o País? Qual o projecto político e, decorrentemente, cultural e social que, cada um a seu modo, prevê para Portugal?

Bem pode Marcelo Rebelo de Sousa agitar a sua preferência: já poucos admitem que Manuel Ferreira Leite seja a salvadora. Mas também Santana Lopes (pobre Santana!, chega a ser comovente) e Pedro Passos Coelho ou quem quer que seja dos outros logram conquistar a adesão sincera das pessoas.

Nenhum deles possui capacidade, competência e talento para resolver os cada vez mais graves problemas nacionais. São maçadoramente vulgares, bocejantemente ineptos, catastroficamente medíocres. Quando Manuela Ferreira Leite inflecte o discurso para o social, o que diz e a forma como o diz torna-se penoso por inconvincente. Poderá, acaso, vir a ser presidente do PSD. Porém, não atrasa nem adianta. Ela e os outros representam tudo o que de pior acalenta a Direita dos interesses.

Numa entrevista que o dr. Campos e Cunha, antigo ministro do Executivo Sócrates (de que fugiu espavorido), concedeu ao Diário de Notícias [18. Maio, p.p.], não escamoteou a perplexidade causada por esta democracia, que considera imperfeita e coxa.

A diatribe toca a todos. A mediania da sociedade portuguesa alastra como endemia. Preocupa-me muito quase a exigência de um cartão partidário para se conseguir um negócio, afirma. Todos conhecemos a verdade; poucos a denunciam. Faz-me lembrar o episódio ocorrido entre Bertoldt Brecht e um actor que se lhe apresentou no Berliner Ensemble, ostentanto o cartão do Partido Comunista como referência. Brecht, que não era nada para graças, indicou à criatura a porta de saída. Mostra-me o teu talento, não me mostres o cartão do partido!

Se as coisas fossem mais claras, os desígnios mais transparentes, os objectivos mais definidos e a honra não fosse, constantemente, sovada - creio que se registariam melhorias substanciais no nosso viver quotidiano. Porém, olhamos em volta e assistimos a factos, cenas e acontecimentos que não só mancham de indignidade os seus protagonistas, como ferem de morte uma democracia sem raízes fundas.

Deixou de haver o pouco debate público (social, político, cultural, económico) que, de vez em vez, lá emergia da trivialidade. Não há crítica literária, nem artística, nem cinematográfica, nem política, nem nada. O maior crítico português, João Lopes, continua sozinho em campo, no exercício de uma actividade que, nele, assume a grandeza do espírito de missão. O que, neste sector, é publicado claudica por ignorância dos seus trôpegos autores.

Há por aí, creio que quinzenário, um Jornal de Letras dirigido por um poeta menoríssimo, simultaneamente réplica do Conselheiro Acácio e clone do Gouvarinho, que pratica a omissão e a rasura de nomes, entre os quais o meu, porque o escarmentei em público.

Quem chefia a Redacção foi um truculento militante da UDP, profeta de todas as liberdades e agitador emérito. Interpelei-o, certa manhã, na Casa da Imprensa: Não tens vergonha de ser cúmplice desta pouca-vergonha? Rouquejando, deu-me a seguinte ignominiosa resposta: O jornal não é meu. Conto este episódio, por exemplar.

O caso de eu ser um dos protagonistas é meramente circunstancial. Torno-o público porque me cansei destes democratas instantâneos como o pudim flan. E se me chateiam, conto mais. Sei que omissões a outros autores, manigâncias de promoções e de esquecimentos deliberados acontecem em outras instâncias ditas de comunicação. Ninguém se queixa e os novos Torquemadas gozam de total impunidade.

Estes incidentes revelam até que ponto a existência democrática em Portugal está seriamente avariada. Nos diversos territórios de actividade as perseguições, os favoritismos, as influências partidárias tornaram-se comuns. O que está a dar, por exemplo, é zurzir em Hugo Chávez, e em Evo Morales, agora que foi dada uma trégua a Fidel de Castro. Não se trata de negar o direito de quem quer que seja a criticar quem quer que esteja. Mas a unilateralidade do requisitório alardeia a falta de substância crítica.

Os estipendiados cobrem-se de lama, mas isso que importa se as benesses são amplas? O exemplo de El Pais poderia favorecer uma melhor identificação com a realidade. O grande diário espanhol tem uma tiragem superior a 2 milhões e 500 mil exemplares. Defendendo, embora, uma ideia de progresso e de liberdade e de justiça social, El Pais não se coíbe de criticar os líderes que prevaricam e de os elogiar quando o merecem.


B.B.

Etiquetas: , , , , ,

2 Comments:

At 23 de maio de 2008 às 15:34, Anonymous K. said...

A Manuela Ferreira Leite diz esperar que, a partir de dia 31 com a sua eleição para líder do PSD, o “engenheiro” passe a dormir mal. Não sei se será essa a melhor solução para resolver os problemas deste país e até duvido muito que ela consiga entrar nos seus pesadelos, (já nos nossos não digo o mesmo).
Nem quero imaginar no horror por que vão passar muitos dos portugueses, aqueles que pensam que em Portugal só podem votar neste alterne PS/PSD, quando tiverem de escolher entre dois horrores.
A mim o que me tira o sono não é a cara desta gente, mas as suas politicas e o mal que fizeram, fazem e querem continuar a fazer a este país.
Com esta gente no poder, quem perde o sono não são eles mas sim todo este país.

 
At 23 de maio de 2008 às 16:59, Anonymous J.L.P. said...

Os políticos não gostam de falar de fome nem de ser confrontados com os números da pobreza. Mesmo quando esses números marcam uma evolução positiva, há sempre um enorme desconforto em lidar com eles, porque no fundo traduzem a incapacidade das políticas em resolver os problemas mais prementes. Ainda há dias, no Parlamento, Sócrates fez um esgar de desagrado quando o confrontaram com situações de fome existentes no país.

Independentemente dos culpados - e encontrá- los-emos, embora com grau de responsabilidade diversa, em todos os partidos que passaram pelo Governo ou tenham assento parlamentar-, o facto é que há fome em Portugal. Não sei se se poderá avançar com números tão pesados como os que ontem referia o bloquista Teixeira Lopes 400 mil pessoas em Portugal. Sendo certo que nesta matéria vale mais pecar pelo excesso, também é preciso contar com o facto de os políticos da Oposição terem tendência a carregar mais os números.

Mas o que não engana é um relatório como o que ontem foi divulgado pela União Europeia. Confirma o que está à vista sobre a enorme desigualdade na distribuição de rendimentos em Portugal. E, além de confirmar, dá a medida certa na UE, somos o país onde a desigualdade é maior. O coeficiente de repartição de rendimentos é mesmo superior ao dos EUA, onde, como se sabe, os contrastes são medonhos.

Sobre estes números, deve o nosso Governo meditar. Mas os políticos populistas da Oposição também. Os mesmos populistas que teimam em pedir um alívio na carga fiscal sobre os combustíveis deveriam exigir, antes disso, claras medidas sociais que se repercutissem na distribuição de rendimentos.

A crise alimentar, gerada a par ou catapultada pela crise petrolífera, está a afectar de forma clara a nossa classe média. É um facto. Há uma outra crise, num outro patamar, onde o problema não é de perda de regalias, mas simplesmente de fome.

A crise da classe média dá e tira votos. A crise do outro patamar, infelizmente, é mais silenciosa. Se não fosse assim, se ela ganhasse algum poder reivindicativo, possivelmente as desigualdades não seriam tão notórias.

 

Enviar um comentário

<< Home