quarta-feira, 14 de maio de 2008

ÚLTIMAS: PONTE DE SOR DELPHI ENCERRA: 500 TRABALHADORES PARA O DESEMPREGO [ XVIII ]

Delphi/Ponte de Sor: Trabalhadores iniciam às 00h00m de quinta-feira nova greve de 24 horas



Ponte de Sor, 14 Maio (Lusa) - Os trabalhadores da Delphi em Ponte de Sor vão recorrer de novo à greve, na quinta-feira e durante 24 horas, em protesto contra o impasse no processo negocial com a empresa em torno das indemnizações.

A convocação da greve, com início às 00:00 de quinta-feira, foi aprovada, a 06 de Maio, durante um plenário dos trabalhadores da fábrica, que deverá encerrar no primeiro trimestre de 2009.


O secretário-geral do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins (SIMA), José Simões, explicou à agência Lusa que a administração da multinacional norte-americana já demonstrou alguma abertura, mas não a suficiente para responder às reivindicações dos trabalhadores.

Além da greve de quinta-feira, os trabalhadores decidiram realizar outra paralisação, também de 24 horas, na próxima terça-feira
.


Caso a administração da multinacional norte-americana não der uma resposta mais efectiva, depois destas duas greves, os trabalhadores poderão avançar para uma greve mais continuada, segundo o dirigente sindical.


Na altura, se for caso disso, iremos decidir como é que será essa greve mais continuada ou quantos dias poderá durar, limitou-se a acrescentar José Simões.

Em causa está o processo negocial entre os representantes da empresa e dos trabalhadores para acordar o valor das indemnizações e outras eventuais compensações pelo fecho da unidade fabril.


Os operários defendem indemnizações de 2,8 salários, enquanto a administração propõe dois salários por cada ano de trabalho.

Os trabalhadores da Delphi já rejeitaram o valor apresentado pela administração, apesar de terem baixado a sua proposta de 3 para 2,8 salários por cada ano de antiguidade.


A administração da multinacional norte-americana tinha subido o montante das indemnizações a atribuir aos trabalhadores de 1,8 para dois salários por cada ano de trabalho.


A fábrica de Ponte de Sor, que emprega 439 operários efectivos, além de cerca de 80 a contrato, produz apoios, mecanismos para portas de correr automatizadas e sistemas de protecção de ocupantes para vários modelos de veículos automóveis
.


RRL.

Lusa

Etiquetas: , , ,

4 Comments:

At 15 de maio de 2008 às 14:17, Anonymous Anónimo said...

Delphi/Ponte de Sor: Greve com adesao de 90 pc para sindicato, empresa reduz para 46,1%
15 de Maio de 2008,

Ponte de Sor, 15 Mai (Lusa) - Os trabalhadores da Delphi em Ponte de Sor voltaram hoje à greve, com o sindicato a avançar uma adesão de 90 por cento e a paragem na produção, enquanto a empresa nega e contrapõe com 46,1 por cento.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins (SIMA), José Simões, garantiu que a adesão à greve na fábrica daquele concelho alentejano (Portalegre) ronda os "90 por cento" e até está a provocar a paragem da produção.

"A produção está parada devido ao elevado número de trabalhadores em greve", afiançou.

Segundo José Simões, os "mais de cem trabalhadores que a administração da Delphi tem vindo a contratar, nos últimos tempos, a uma empresa de trabalho temporário também estão parados porque não lhes chega trabalho".

"Quase todos esses trabalhadores estão parados porque, devido à paralisação, não lhes chega trabalho para executar", sublinhou.

A greve começou às 00:00, tendo José Simões exemplificado que, no turno da noite, "em cerca de 80 trabalhadores, só estiveram quatro a trabalhar".

"E agora, no turno que começou às 08:00, de cerca de 300 pessoas que deviam estar a trabalhar, só não aderiram à greve uns 15 ou 20, incluindo chefes e administrativos", acrescentou.

Contactada pela Lusa, fonte da administração refutou estes números e, além de garantir que "a produção não está parada", frisou que a adesão, no conjunto dos dois turnos, se cifra nos "46,1 por cento".

Os trabalhadores, que estão concentrados junto à unidade fabril, realizam um plenário durante a tarde e já convocaram outra greve de 24 horas para terça-feira, ameaçando mesmo com uma paralisação mais prolongada caso a multinacional norte-americana não dê uma "resposta mais efectiva" às suas reivindicações.

Os mais de 400 operários da fábrica, que deverá fechar portas no primeiro trimestre de 2009, estão em greve devido ao impasse no processo negocial com a empresa em torno das indemnizações e outras eventuais compensações.

A fábrica de Ponte de Sor, que emprega 439 operários efectivos, além de cerca de 80 a contrato, produz apoios, mecanismos para portas de correr automatizadas e sistemas de protecção de ocupantes para vários modelos de veículos automóveis.

Os operários defendem indemnizações de 2,8 salários, enquanto a administração propõe dois salários por cada ano de trabalho.

Os trabalhadores da Delphi já tinham rejeitado o valor apresentado pela administração, apesar de terem baixado a sua proposta de 3 para 2,8 salários por cada ano de antiguidade.

A administração da multinacional norte-americana tinha subido o montante das indemnizações a atribuir aos trabalhadores de 1,8 para dois salários por cada ano de trabalho.

RRL.

Lusa

 
At 16 de maio de 2008 às 10:51, Anonymous JustDelphi said...

outra vez 2.8???? não é 2.8 é 2 (aceitamos a proposta da empresa) só queremos que as contas sejam feitas por um tecto salarial minimo de:(A negociar) só isso tudo o resto, seguro parece que não é possivel, Impostos logo se vê só queremos um valor que possa compensar isso. Sr. José Simões até agora tenho feito greve e confiado no senhor mas começo a ter algumas duvidas 2.8??? isso é irreal e em plenário onde estive acho que isso foi ultrapassado. A proposta que está na mesa é aceitar os 2 propostos pela empresa mas com um tecto salarial minimo de: (A negociar) acho eu que é assim não venha falar em 2.8 porque foge à verdade e todos se riem de nós por querermos a lua. Fikem.

 
At 16 de maio de 2008 às 10:56, Anonymous JustDelphi said...

Outra coisinha as contas da adezão à greve estão a ser feitas assim: os sindicatos contam e bem os operários efectivos. A empresa conta todos,indirectos directores mais os temporarios mais as senhoras da limpeza e possivelmente tambem os camionistas que vêm carregar daí as enormes diferenças.

 
At 18 de maio de 2008 às 00:13, Anonymous Trabalhador de produção said...

Não sou comunista mas quero agradecer também aos Srs.vereadores do PCP que estiveram conosco á porta da fábrica a dar o seu apoio.
Quero também esclarecer que nós, operários de produção com vinte e tal anos de casa, temos um vencimento de 765 euros por mês e o que estamos a querer negociar é uma compensação de 2 meses por cada ano de serviço, vezes um valor mínimo de 1000 euros (em vez de 765). Aqueles que ganham mais não serão prejudicados apenas queremos mais um pouco para quem ganha menos.
Já agora quero informar todas as pessoas que não conhecem a realidade do trabalho nesta fábrica,
que nós trabalhamos no sector químico, há muitos anos que respiramos solventes de tintas, antigamente nem máscaras usavamos,
respiramos reagentes de cianetos para fazermos volantes, antigamente nem exaustão havia,
fazemos borracha misturando oleos a balde com enxofre á pazada e muitos outros produtos perigosos, sabemos agora que a maior parte é classificado como cancerígena e não lhes podemos tocar com as mãos ou respirar o seu vapor,
limpavamos perfis de portas com panos enxarcados em etanol, sabemos agora que aquele produto dilui o sangue e provoca vários tipos de leucemia,
para terminar lembro que faziamos 90% dos calços de travão utilizados na Europa, deixamos de os fazer porque o produto que utilizavamos (asbesto) era tão perigoso e cancerígena que foi proibido no mundo inteiro.
Em memória daqueles que já faleceram, em respeito daqueles que já combateram doenças e pela dignidade com que teremos de enfrentar os eventuais problemas de saúde que vão surgir daqui as uns anos,
DEVEMOS LUTAR POR UMA NEGOCIAÇÃO JUSTA.
Á POPULAÇÃO DE PONTE DE SOR QUERO DIZER: "NÃO JULGUEM QUE VAMOS FICAR RICOS COM 40 mil euros, pois isso desaparece num instante se tivermos o azar duma doença por causa dos produtos com que trabalhamos á mais de 2 décadas.
SEJAM SOLIDÁRIOS CONOSCO,
OBRIGADO

 

Enviar um comentário

<< Home